Desigualdades de gênero e raça no cenário pós-Covid

Teias do Cuidado é uma parceria entre a Gênero e Número e o Grupo de pesquisa Trabalho doméstico e de cuidados para investigar e divulgar resultados da pesquisa sobre disparidades de gênero, distribuição de tarefas domésticas e sua interseção com o trabalho no contexto pós-covid.

 

CONHEÇA A PESQUISA

O QUE SIGNIFICA?

Gênero

É uma construção social e histórica que surge a partir das diferenças percebidas entre os sexos biológicos. Essa construção resulta em relações sociais distintas de poder e hierarquia, baseadas no sexo biológico, onde um grupo é privilegiado em detrimento do outro.

Gênero, portanto, é tudo o que foi estabelecido em nossa sociedade, ao longo do tempo, como papel, função ou comportamento esperado de uma pessoa, baseado em seu sexo biológico.

Patriarcado

Sistema social em que o poder e a autoridade são predominantemente exercidos por homens, conferindo-lhes vantagens em diversas esferas da vida social. É uma estrutura que permeia a sociedade, influenciando as relações familiares, as dinâmicas de poder e as oportunidades disponíveis. É uma instituição social que molda as interações entre os gêneros, estabelecendo normas e expectativas específicas. Além de perpetuar a desigualdade de gênero, o patriarcado desempenha papéis na socialização dos indivíduos, na definição de papéis sociais e na transmissão do status social ao longo das gerações.

Políticas de cuidado

Cuidar é um trabalho importante que envolve atender às nossas necessidades básicas, tanto materiais quanto emocionais, para que possamos crescer e nos desenvolver bem. Esse tipo de trabalho inclui: cuidar de crianças, idosos, pessoas doentes e aquelas com deficiências físicas ou mentais. Em todo o mundo, a maioria desse trabalho de cuidado é feito por mulheres e meninas, sendo chamado de “trabalho invisível”, por não ser socialmente reconhecido como trabalho ou valorizado como um trabalho.

Domesticidade

Domesticidade é um padrão de comportamentos que é ensinado majoritariamente as meninas, a se comprometerem e serem responsáveis com as práticas domésticas do lar, onde é esperado que elas correspondam aos comportamentos de submissão, de obediência e de docilidade perante a responsável da casa, seja alguém da sua parentela ou até mesmo patroa/patrão. A casa se torna prioridade, sendo visto como uma atribuição feminina ter que contribuir com a organização, limpeza e gestão das tarefas da casa, resultando em relações desiguais na convivência.

ARTIGOS

Pesquisas de opinião sobre valores de gênero no Brasil

Os dados indicam que, em relação às percepções de gênero, os brasileiros estão mais igualitários. Mas, o que vem acontecendo no Brasil e no mundo no contexto de pós-pandemia do Covid-19, que penalizou mais intensamente as mulheres e levou ao crescimento do neoconservadorismo?

Ilustração mostra uma mulher negra passando roupa e outra empurrando um homem branco em uma cadeira de rodas

Trabalhadoras domésticas nas teias do cuidado

O Brasil conta com pouco mais de 6 milhões de trabalhadoras/es domésticas/os e 91% são mulheres. Apenas 23% delas têm carteira de trabalho assinada.

O QUE SIGNIFICA?

Trabalho Produtivo

Tem como atividades a  produção de mercadorias, bens sociais e serviços que são gerados pela força de trabalho do indivíduo e que tem seu reconhecimento e validação pelo seu valor útil para o mercado de trabalho, devido a sua geração de lucro. A esfera produtiva é exercida por trabalhadores com níveis diferenciados no mercado de trabalho, de modalidade formal e informal, e podem ocorrer em âmbito público ou privado e de forma paga.

Trabalho reprodutivo

Você considera as tarefas domésticas e de cuidado com as pessoas da sua casa, como um trabalho? Isto é nomeado como trabalho reprodutivo pois ele garante a sustentação da vida das pessoas em seu ambiente familiar, de modo que é essencial a produção diária deste trabalho pois está vinculada diretamente a atividades que se responsabilizam pela necessidade e bem-estar das pessoas, visto que também atua como um suporte para a força de trabalho.

Trabalho Doméstico

Em sua casa, quem é responsável pelas atividades de manutenção do lar? E no geral, quem você acha que deve ser o responsável? O trabalho doméstico diz respeito às atividades diárias, como cozinhar, lavar a louça, passar roupas e tudo aquilo que é necessário para o funcionamento da vida diária. E cabe a nós pensarmos quem é colocado num lugar de responsabilidade por essas atividades.

O QUE SIGNIFICA?

Divisão sexual do trabalho

É a forma de divisão do trabalho social decorrente das relações sociais de sexo. Essa divisão se baseia em dois princípios:

1.Separação
Onde os empregos são separados de acordo com o sexo, onde uns são considerados mais adequados às mulheres e outros aos homens;

2. Hierarquização
Onde o trabalho dos homens é mais valorizado do que o das mulheres.

Divisão racial do trabalho

Você já se perguntou por que há muito mais pessoas negras do que brancas em cargos de trabalho informal? Ou, por que até hoje, em sua grande maioria, os cargos mais altos são ocupados por pessoas brancas?

A explicação para isso é a divisão racial do trabalho, que surge da herança colonial do Brasil, mas continua se reproduzindo nas relações de trabalho, que, mesmo após a abolição, se articula através do racismo estrutural e é expressa nas desigualdades raciais no mercado de trabalho.

Família

Agregação de indivíduos relacionados entre si por laços de sangue, casamento, afetivos ou adoção, com a função primordial de reprodução e de cuidado, residindo ou não no mesmo ambiente físico. É uma instituição social que também tem como função a socialização de seus membros, a regulação do comportamento, a definição de papéis sociais e a transmissão do status social, sendo importante para a organização social das sociedades humanas. A estrutura familiar abrange relações de poder entre seus membros, sendo impactada pelas relações de gênero e raciais, por exemplo.

Arranjos familiares 

Arranjos familiares são formas de organização familiar, que assumem diversas variações históricas, geográficas, econômicas e culturais. Aqui estão algumas formas de arranjos familiares:

Família nuclear: arranjo familiar composto por pai, mãe e filhos.

Família extensa: quando consideramos além dos pais e filhos também os avós, tios/as e primos/as.

Famílias compostas: aquelas que se formam quando homens e mulheres casados e com filhos se divorciam e se casam novamente, constituindo nova família com os filhos da família anterior ou tendo outros.

Famílias monoparentais: aquelas onde apenas um dos cônjuges vive com os filhos, com a presença ou não de outros parentes na mesma casa. (Há nesse tipo de família um predomínio de mulheres chefes de família).

Famílias homoafetivas: aquelas decorrentes da união de pessoas do mesmo sexo, possibilitando também a parentalidade.

SOBRE O GRUPO DE PESQUISA TRABALHO DOMÉSTICO E DE CUIDADOS

Teias do Cuidado é uma parceria entre o Grupo de Pesquisa Trabalho Doméstico e de Cuidados e a Gênero e Número executada pelo projeto de extensão “Desigualdades de gênero e raça: (re)composições no cenário pós-covid, coordenado por Thays Monticelli (UFRJ) e Felícia Picanço (UFRJ) com a participação de Natália Leão (pós-doutoranda no NESEG).

O Grupo de Pesquisa Trabalho Doméstico e de Cuidados articula pesquisadoras e núcleos de pesquisa que tem por objetivo analisar as desigualdades de gênero, raça, classe e contextos regionais nas famílias em relação aos arranjos familiares; distribuição do trabalho doméstico e de cuidados remunerado e não-remunerado; e acesso a políticas públicas e equipamentos públicos e privados de apoio às famílias. O grupo é liderado por:

Felícia Picanço, professora do Departamento de sociologia da UFRJ, Laboratório de Estudos sobre Diferenças, Desigualdades e Estratificação (LeDdE)

Thays Monticelli, professora do Departamento de sociologia da UFRJ, Núcleo de Estudos de Sexualidade e Gênero (NESEG)

Maira Covre-Sussai, professora do Departamento de sociologia da UERJ, Núcleo de Estudos em Desigualdades Contemporâneas e Relações de Gênero (NUDERG)

Clara Araújo, professora do Departamento de sociologia da UERJ, NUDERG

Doriam Borges, professor do Departamento de sociologia da UERJ, NUDERG

Jurema Brites, professora do Departamento de ciências sociais da UFSM, Grupo de Estudos e Pesquisa Políticas da Intimidade (GEPPI)

Luana Myrrha, Departamento de Demografia e Ciências Atuariais da UFRN, Laboratório de Estudo de Gênero e População (LAEGEP)

Anna Bárbara Araújo, professora do Departamento de Ciências Sociais da UFRN, Laboratório de Pesquisas sobre Interseccionalidades e Saúde (LIS)

Pedro Nascimento, professor do Departamento de Ciências Sociais da UFPB, Grupo de Pesquisa em Saúde, Sociedade e Cultura (GRUPESSC)

EQUIPE DE TEIAS DO CUIDADO

Coordenação Natália Leão | Thays Monticelli | Felícia Picanço Direção de conteúdo Vitória Régia da Silva Extensionistas Débora Lírio | Mariana Nogueira | Paula Monteiro | Mayara Ferreira | Laura Souza | Marcely Azevedo | Taís Brito Design Marilia Ferrari | Victoria Sacagami Captação de imagem e edição de video Coité Produção Audiovisual Animações Luciano Gomes Apresentação Miriã Damasceno

REALIZAÇÃO

APOIO