close

Setembro Amarelo: Pessoas negras são 57% das vítimas de autolesão entre LGBTs+36 min read

A saúde mental da população LGBT+ ficou ainda mais comprometida na pandemia | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Dados também mostram que conflito entre gerações é a causa mais apontada para esse tipo de violência; psicólogo alerta que estas ações precisam ser enxergadas como respostas a situações cotidianas e que profissionais de saúde ainda não sabem como lidar com elas

Por Agnes Sofia Guimarães*

Ao pensar em sua trajetória acadêmica, Paulo Navasconi levou em conta uma vida marcada pelo luto, ou pelo convívio com a morte. Aos 12 anos, descobriu o suicídio do avô, até então um segredo bem guardado pela família. Durante a adolescência, também tentou tirar a própria vida – momento em que notou a dificuldade dos profissionais de saúde que o atenderam para registrar sua tentativa no prontuário de atendimento. 

Vindo de uma família interracial do Paraná, Paulo encontrou, no mestrado, uma literatura acadêmica sobre suicídio no Brasil em que o fenômeno não era apresentado com indicadores de raça, classe econômica e sexualidade.

Meia década de jornalismo sobre gênero e raça
APOIE A GN PARA IRMOS MAIS LONGE
QUERO IR JUNTO!

Foi a partir daí que o psicólogo, hoje doutorando em Subjetividade e Práticas pela Universidade Estadual do Maringá (PR), passou a pesquisar de que forma a interseccionalidade podia contribuir para lançar luz sobre jovens negros e LGBT+, vítimas até então invisibilizadas, mas que podem estar entre as maiores estatísticas de suicídio no Brasil. O estudo resultou no livro “Vida, Adoecimento e Suicídio – Racismo na Produção do Conhecimento sobre Jovens Negros/AS LGBTTIS” (Editora Letramento, 2019). 

Segundo o Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), em 2020, houve 12.080 suicídios no Brasil, a maior parte registrada entre homens negros, de 30 a 59 anos. Foram 2.576 casos, isto é, 21,3% do total. No entanto, ao olhar para esses dados, não encontramos indicadores de orientação sexual e de identidade de gênero – ecos da falta de literatura acadêmica sobre o tema.

O Sistema de Agravos de Notificação de Violência (Sinan), por sua vez, apresenta dados atualizados até 2019 de violências autoprovocadas, e com recortes de identidade sexual e de gênero. 

Assine a newsletter e receba nosso conteúdo gratuito!

Aguarde...

De acordo com levantamento feito pela Gênero e Número no Sinan, em 2019, conflitos geracionais foram os motivos mais apresentados por gays, lésbicas, bissexuais e população trans (travestis, homens e mulheres trans) para autolesões. Das 2.093 ocorrências de autolesão registradas entre a população LGBT+, 1.436 apresentam informações sobre os motivos que levaram a elas. Dessas, 282 (20%) correspondem a conflitos geracionais (ou embates entre gerações mais novas e mais velhas), enquanto 17,82% correspondem a autolesões motivadas por situações de sexismo e 16% a situações de lgbtfobia. 

Os dados também revelam que 57% da população LGBT+ com ocorrências de violência autoprovocada são pessoas negras. A faixa etária que se destaca, em todos os grupos, é a de jovens de 18 a 29 anos, que representam cerca de 37% dos casos. Mulheres negras lésbicas registram 16,24% dos casos de autolesão, seguidas por homens negros gays (15,61%) e trans (15,45%).

Violências autoprovocadas respondem, principalmente, a fatores geracionais, sexistas e lgbtfóbicos

Pessoas LGBT+ destacam que maior motivação (20% dos casos) foi o conflito geracional

gays

lésbicas

bissexuais

trans

20%

LGBTFOBIA

Conflito

geracional

Sexismo

0

fonte SINAN / 2019

Violências autoprovocadas respondem, principalmente, a fatores geracionais, sexistas e lgbtfóbicos

Pessoas LGBT+ destacam que maior motivação (20% dos casos) foi o conflito geracional

Conflito

geracional

Sexismo

LGBTFOBIA

gays

bissexuais

trans

lésbicas

20%

0

fonte SINAN / 2019

No entanto, alerta Navasconi, situações de autolesão não podem ser observadas como tentativas de suicídio, mas respostas a violências cotidianas que devem ser contextualizadas de acordo com as especificidades sociais, de raça e de gênero que atravessam a população LGBT+.

“Podemos encontrar uma ritualização de práticas que na verdade são uma forma de pedido de socorro a diversas violências que a população LGBT+ enfrenta no dia a dia. Aqui, a autolesão não deve ser confundida com uma tentativa de suicídio, mas como um indicativo de problemas que deveriam ser lidos com mais atenção quando falamos em saúde mental, como a falta de acesso a diversos direitos básicos”, explica o psicólogo.

A campanha Setembro Amarelo, de conscientização pela prevenção do suicídio, já faz parte do calendário nacional, mas, em nível federal, encontra dificuldades para ações direcionadas à população LGBT+.  A situação acaba sendo agravada com a falta de investimentos em atenção básica. No ano passado, por exemplo, o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos não fez nenhum gasto direto para essa parcela da população, apesar dos cerca de R$ 800 mil empenhados.

A invisiblidade de suicídios entre jovens negros LGBT+ não acontece apenas em estudos acadêmicos. A partir de 2014, o Ministério da Saúde passou a incluir os quesitos orientação sexual e identidade de gênero nos sistemas de informação do SUS, mas nem todos os bancos de dados apresentam o registro desses casos.

Pessoas negras representam 57% dos casos de violência autoprovocada entre os LGBTs+

Em meio a subnotificações, mulheres negras lésbicas apresentam as maiores ocorrências*

NEGROS

BRANCOS

AMARELOS

INDÍGENAS

400

350

No Brasil, há o registro de violências autoprovocadas de 315 lésbicas negras em 2019

300

250

200

150

100

50

0

lésbicas

gayS

trans

biSSEXUAIS

*Dados computados a partir de ocorrências com registro de raça das vítimas

fonte SINAn / 2019

Pessoas negras representam 57% dos casos de violência autoprovocada entre os LGBTs+

Em meio a subnotificações, mulheres negras lésbicas apresentam as maiores ocorrências*

NEGROS

BRANCOS

AMARELOS

INDÍGENAS

400

0

200

gayS

lésbicas

No Brasil, há o registro de

violências autoprovocadas de

315 lésbicas negras em 2019

biSSEXUAIS

trans

*Dados computados a partir de ocorrências com registro de raça das vítimas

fonte SINAn / 2019

Efeito da pandemia

Para a população LGBT+, a pandemia tornou tudo ainda mais delicado. Pesquisadora em Campinas (SP), Marcela**, de 23 anos, voltou a morar com os pais  em uma cidade menor do interior de São Paulo quando as atividades acadêmicas passaram para o formato virtual. Desde então, ela convive com crises de ansiedade e de exaustão com a sobrecarga doméstica.

 “Como mulher, a pandemia certamente influenciou na qualidade de meu trabalho. Tenho que passar horas do meu dia fazendo serviços domésticos e cuidando de crianças que não são minhas porque minha família demanda isso de mim. Como resultado, estou exausta e não consigo ser tão produtiva no trabalho como era antes”, conta. 

Bissexual e em um relacionamento com um homem, Marcela também sente um silenciamento e apagamento da sua sexualidade entre seus familiares, o que, para ela, acentua conflitos e a faz reviver antigas feridas todos os dias:

“O fato de voltar a morar com minha família de origem na pandemia certamente limitou minha sexualidade e minha individualidade. Passei a ter que me justificar e dar satisfação novamente aos meus pais, o que dificulta minha expressão sexual. Além disso, fui novamente exposta ao ambiente abusivo e tóxico no qual cresci, sofrendo abuso psicológico e financeiro”. 

Já para o professor de ensino fundamental na rede pública de São Paulo Jair Custódio, o cuidado com a saúde mental é um desafio permanente. Homem gay, negro e cis, ele acredita que a idade também o levou a ter dificuldades para encontrar ajuda profissional. E sente que o atravessamento entre o racismo e a homossexualidade contribui para que leve uma vida afetiva solitária, inclusive em contextos familiares: 

“Sempre entendi o ser um homem gay como uma questão de identidade, portanto, minhas escolhas sempre levam em conta isso, e não é uma condição que possa ser transformada. Mas o fator ‘ser negro’ também geralmante incorre em outras posturas violentas, como posturas retrógradas de familiares e a objetificação do meu corpo negro”, conta o professor de 55 anos. 

Tudo, acredita o atendente de telemarketing Marcelo Castro, é fruto da falta de informação. Aos 23 anos, ele, que é um homem negro e trans, conta com ajuda psicológica desde que passou por seu processo de transição. De Altinópolis, em Minas Gerais, mudou-se para Uberlândia, uma cidade mais desenvolvida no Triângulo Mineiro, e onde, segundo ele, foi mais fácil encontrar ajuda – inclusive na pandemia. 

“Acredito que hoje a maior barreira com profissionais de saúde seja a falta de informação. Eu comecei a minha transição em uma cidade pequena, mas tive ajuda psicológica desde o início, só que contando com a sorte de profissionais que estavam dispostos a aprender o que eu estava vivendo. Hoje sou atendido por profissionais que já lidam melhor com essas questões e percebo a diferença de um atendimento mais especializado”, reflete. 

Desafio para profissionais de saúde

Durante a pandemia e diante da diminuição de recursos públicos para políticas específicas de atenção às pessoas  LGBT+, entidades da sociedade civil buscaram formas de monitorar e ajudar esta parte da população mais vulnerável. 

A pesquisa online “Diagnóstico LGBT+ na pandemia”, realizada entre 28 de abril e 15 de maio de 2020, pelo coletivo #VoteLGBT, ouviu pessoas declaradamente LGBT+ sobre suas preocupações com a pandemia. Em primeiro lugar ficou a questão da saúde mental, que incluía problemas como ansiedade, depressão e crise de pânico, com 42,72% das mais de 9.500 respostas. Depois vinham as novas regras de convívio, com 16,58%; solidão, com 11,7%; e falta de renda, com 10,62%. No ano passado, a pesquisa do coletivo com a população LGBT+ revelou que pessoas transgênero são as mais vulneráveis aos impactos do isolamento social.

No geral, observa Paulo Navasconi,  a pandemia evidenciou um distanciamento entre profissionais de saúde e a população LGBT+. 

“Tivemos muitos aprendizados com o isolamento social, sobretudo sobre o impacto que a pandemia teve em pessoas que, muitas vezes, não têm sua orientação sexual ou identidade de gênero aceita pela família. Mas, novamente, ainda encontramos muitos desafios para que profissionais de saúde possam lidar com essas situações de forma mais contextualizada e que, principalmente, ajudem a notificar situações extremas para entender melhor como ajudar”, lamenta. 

Acesse a base de dados da reportagem aqui 

*Agnes Sofia Guimarães é repórter da Gênero e Número

**Nome fictício para preservar a identidade da entrevistada 

Receba o conteúdo da GN por Whatsapp
Para se cadastrar, mande um oi para:
+55 21 98341 3556

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

EU QUERO APOIAR

  
close-image