Arte: Victoria Sacagami/ GN

Em três aldeias do Pará, 60% das indígenas estão contaminadas pelo mercúrio

Contaminação afeta peixes, principal alimento das comunidades, e chega ao ar, como explica pesquisador da Fiocruz

Adriana Amâncio

Anelize Moreira

  • Altos níveis de contaminação

    ver mais
  • Mulheres, crianças e jovens ainda mais vulneráveis

    ver mais
  • O elo entre a fome e o mercúrio

    ver mais
  • Comércio irregular e impactos conhecidos há anos

    ver mais
  • Situação limite no território Yanomami

    ver mais
  • Qual o futuro da saúde indígena?

    ver mais

Um pedaço de papel com o diagnóstico de contaminação por mercúrio começa a explicar os sintomas que chegaram de repente. “Quando recebi o resultado do exame vi que estava muito alterado [o nível de mercúrio]: deu vermelho. Fiquei com medo e cheguei a chorar, porque aqui a gente sabe que não tem cura e não tem tratamento”, contou Aldira Akai Munduruku, da aldeia Sawré Muybu, na região do Tapajós (Pará). 

O teste de Gilmara Akay, da mesma comunidade, teve a cor laranja, que significa nível médio de contaminação. O exame do marido apareceu vermelho, indicando níveis críticos, e as crianças têm contaminação leve. “Todo mundo não queria mais comer peixe. Isso deixou a gente mais abalado”, disse Gilmara, com voz embargada pelo medo de consumir um alimento tradicional do seu povo.  

Marido de Gilmara, Deivison Saw Munduruku, também enfrenta dificuldades para caçar em função das dores, fraqueza muscular e episódios de desorientação no meio da mata. Os homens costumam sair para caçar às 8 horas da manhã e retornam no fim da tarde. “Eles arrodeiam essa floresta todinha procurando caça para dar o que comer para os filhos. Deivison fica muito triste porque não consegue caçar como antes”, contou Gilmara.

Contaminadas, Aldira e Gilmara estão fadadas a conviver com as consequências em todas as etapas da vida, e carregam desde o ventre as gerações que virão ao mundo com o mesmo mal. “Evito pensar nas doenças e na morte, mas me preocupo todos os dias com cada sintoma que surge”, desabafou Aldira. 

O resultado da pesquisa realizada pela Fiocruz com o povo Munduruku revela famílias inteiras contaminadas com mercúrio em diversos níveil | Foto: João Paulo Guimarães
ler Mercúrio no sangue: mulheres indígenas contaminadas do ventre ao fim da vida

Altos níveis de contaminação

O resultado dos testes da Fiocruz às comunidades testadas veio em agosto de 2022. Os níveis de mercúrio acima de limites seguros foram detectados em seis de cada dez participantes, ou seja, 60%. Nas comunidades às margens dos rios mais afetados pelas atividades garimpeiras, sobe para nove em cada dez participantes os que apresentaram altos níveis de contaminação. O estudo ocorreu por demanda dos indígenas, entre outubro e novembro de 2019, com 200 habitantes de três aldeias impactadas pelo garimpo: Sawré Muybu, Poxo Muybu e Sawré Aboy, nas regiões do médio e baixo Tapajós, no Pará. 

Os pesquisadores realizaram entrevistas, coleta de amostras de cabelo e de peixes, para aferição dos níveis de mercúrio e avaliação clínico-laboratorial. Sete artigos científicos foram publicados analisando diversos aspectos da contaminação com mercúrio, desde o impacto na saúde neurológica e mental, passando pelos efeitos nas mulheres e crianças, até a contaminação pelo consumo de peixes. 

Um dos textos, com análises feitas em 16 mulheres e 18 crianças, indicou que 62% das mulheres em idade fértil ultrapassaram os limites de referência da Organização Mundial de Saúde (OMS). As crianças tinham mais anemia, mais desnutrição e frequentes queixas de sintomas neurológicos. 

Não existe um critério brasileiro para analisar a contaminação por mercúrio, e isso é um desafio, segundo o neurologista Erik Jennings, médico da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), que atua há mais de três décadas com saúde indígena na região. “Não tem um padrão brasileiro que considere essas nuances regionais [na Amazônia]”, diz o médico, explicando que o parâmetro da OMS funciona para a população mundial, mas pode não ser adequado para grupos específicos.

O caminho do mercúrio

Mulheres e crianças são mais vulneráveis aos efeitos tóxicos do mercúrio

No garimpo, o mercúrio é usado para facilitar a separação do ouro. Parte do mercúrio é despejado no ambiente, principalmente nos rios.

No fundo dos rios, ele sofre uma transformação e se torna metilmercúrio, que começa a ser absorvido pela cadeia alimentar.

A água do rio contamina os peixes, principal fonte de proteína para os indígenas. Consome-se muito peixe na Amazônia, pois é mais barato, está na raiz cultural da região. Ribeirinhas podem consumir peixe até três vezes por dia.

SINTOMAS relatados

por indígenas

SINTOMAS identificados

por médicos

Dores

de cabeça

perda de

memória

Lapsos de

memória

alterações

na visão

Queda

de cabelo

complicações

na gestação

Dores

nos ossos

aborto

espontâneo

aumento

da pressão

arterial

Aborto

espontâneo

tremores

Coceira

insônia

Dormência

nas pernas

fraqueza

muscular

morte em

casos extremos

Crianças com

má formação

O mercúrio afeta as mulheres

em todas as fases da vida

infância

fase adulta

terceira idade

Na vida reprodutiva, as mulheres, se expostas a uma quantidade alta de mercúrio, podem sofrer aborto e o feto é contaminado, podendo ter o seu sistema nervoso afetado pela substância. Com isso, a criança pode desenvolver déficit cognitivos, de atenção e problemas neurológicos.

Na terceira idade, as mulheres apresentam a substância em níveis maiores, resultado dos anos de vida de exposição à substância e ao longo processo de bioamulação.

Na infância, por meio

do contato com a água

e o consumo de peixes contaminados tem início

a acumulação do metil- mercúrio. A exposição

ao mercúrio ocorre não

só através do peixe contaminado, mas também

já no desenvolvimento,

na barriga.

Foto Agência brasil e secom

Fonte Aldira e Gilmara Akay, Dário Kopenawa e Erick Jennings

O caminho do mercúrio

Mulheres e crianças são mais vulneráveis aos efeitos tóxicos do mercúrio

No garimpo, o mercúrio é usado para facilitar a separação do ouro. Parte do mercúrio é despejado no ambiente, principalmente nos rios.

No fundo dos rios, ele sofre uma transformação e se torna metilmercúrio, que começa a ser absorvido pela cadeia alimentar.

A água do rio contamina os peixes, principal fonte de proteína para os indígenas. Consome-se muito peixe na Amazônia, pois é mais barato, está na raiz cultural da região. Ribeirinhas podem consumir peixe até três vezes por dia.

SINTOMAS

relatados

por indígenas

SINTOMAS

identificados

por médicos

Dores

de cabeça

perda de

memória

Lapsos de

memória

alterações

na visão

complicações

na gestação

Queda

de cabelo

aborto

espontâneo

Dores

nos ossos

aumento

da pressão

arterial

Aborto

espontâneo

tremores

Coceira

insônia

Dormência

nas pernas

fraqueza

muscular

morte em

casos extremos

Crianças com

má formação

O mercúrio afeta as mulheres

em todas as fases da vida

infância

Na infância, por meio do contato com a água e o consumo de peixes contaminados tem início

a acumulação do metil- mercúrio. A exposição ao mercúrio ocorre não só através do peixe contaminado, mas também

já no desenvolvimento, na barriga.

fase adulta

Na vida reprodutiva, as mulheres, se expostas a uma quantidade alta de mercúrio, podem sofrer aborto e o feto é contaminado, podendo ter o seu sistema nervoso afetado pela substância. Com isso, a criança pode desenvolver déficit cognitivos, de atenção e problemas neurológicos.

terceira idade

Na terceira idade, as mulheres apresentam a substância em níveis maiores, resultado dos anos de vida de exposição à substância e ao longo processo de bioamulação.

Foto Agência brasil e secom

Fonte Aldira e Gilmara Akay, Dário Kopenawa e Erick Jennings

ler Na primeira Marcha das Mulheres Indígenas, território, corpo e identidade estão no centro do discurso

Mulheres, crianças e jovens ainda mais vulneráveis

A contaminação entre as mulheres traz complicações na gestação e no parto, aumenta o risco de aborto espontâneo, e passa da mulher para os bebês através da placenta. Crianças contaminadas podem sofrer perda de audição, déficit cognitivo, atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor e malformações congênitas. Com isso, mulheres indígenas sofrem na gestação, no parto e depois ficam com uma demanda de cuidado mais alta. Ao envelhecerem, podem apresentar alto teor de contaminação por  acúmulo de substância no organismo ao longo da vida. 

Beka Saw Munduruku, de 20 anos, vê as tias sofrerem com as consequências do garimpo, principalmente as que são mães. “Elas sentem dores de cabeça e tiveram abortos”, relatou. Toda a família de Beka está contaminada e os abortos têm acontecido bastante nas mulheres da aldeia, segundo ela, que não pensa em ter filhos. A jovem indígena escreveu uma carta para o presidente Lula em dezembro de 2022, pedindo  atenção para a fome dos povos indígenas. 

O neurologista da Sesai Erik Jennings chama a atenção para o fato de a contaminação ser proporcionalmente maior em mulheres, crianças e jovens até 18 anos. “Preocupa bastante, principalmente porque é uma faixa etária de mulheres em idade fértil, e os mundurukus estavam vendo crianças nascerem com problemas neurológicos, dependentes de cadeira de rodas, sem nenhuma condição cognitiva, capaz de manter uma vida normal”, alertou.

A grande carga de mercúrio injetada na Amazônia está sendo adicionada ao meio ambiente, e isso circula, como destaca o médico e pesquisador da Fiocruz Paulo Basta. “Esses metais não caem só na água, mas estão no solo, evaporam, vão para as nuvens, navegam, podem ser distribuído para outras regiões do Brasil e do planeta. É uma crise de saúde pública de precedentes internacionais.”

O elo entre a fome e o mercúrio

O garimpo ilegal contamina os rios e peixes com o mercúrio, abre clareiras na floresta, que arrastam árvores, espantam animais de caça e mudam os cursos hídricos. Assim, as principais fontes de sobrevivência dos indígenas somem aos poucos. E, para movimentar a cadeia de extração do ouro, os garimpeiros cooptam, com promessa de riqueza, a mão de obra indígena. 

A insegurança alimentar instalada nas comunidades faz com que muitos indígenas deixem de consumir produtos tradicionais da roça, caça, pesca, passando a ingerir industrializados, ultraprocessados, vindos dos trabalhadores do garimpo. Começaram a aparecer problemas de obesidade, de hipertensão, de diabetes”, contou Paulo Basta, da Fiocruz. Quadros de desnutrição e anemia tornam mulheres e crianças mais suscetíveis aos efeitos do mercúrio no sangue, ao surgimento de outras doenças e à infecção por males endêmicos da região, como a malária.

Os sintomas da contaminação pelo mercúrio ainda podem ser confundidos com outras doenças, como é o caso da depressão e da visão alterada. “O que acontece na Amazônia embaixo do nosso nariz é uma contaminação mais lenta, mas ao longo do tempo, mais crônica”, aponta o neurologista Erik Jennings. Para ele, a gravidade de tudo isso só será percebida quando tiver muita gente com alteração cognitiva, de concentração, de memória, com irritabilidade. “Sinais sutis colocados como causa de outras doenças, na verdade, estão relacionados à anatomia de mercúrio”, explica ele. 

Ao receber o resultado teste para contaminação com mercúrio, Aldira Akay suspeita que tanto os abortos quanto as complicações na gestação da filha de 1 ano e 8 meses possa estar relacionadas à presença do metal em seu sangue | Foto: João Paulo Guimarães

Comércio irregular e impactos conhecidos há anos

Os testes de contaminação com mercúrio começaram a ser realizados há décadas na Amazônia. Mas, desde 2014, algumas pesquisas passaram a atender solicitações de instituições indígenas preocupadas em entender melhor a contaminação. Em 2016, foram divulgados dados de um estudo com 19 aldeias Yanomami e Ye’ Kwana, já indicando que cerca de 92% das pessoas tinham altos índices de contaminação. 

Na unidade de saúde da comunidade Vila Nova, em Porto Grande, no Amapá, “tudo se resolve com dipirona”, diz o coordenador de gestão do Instituto de Pesquisa e Formação Indígena (Iepé), Décio Yokota. E mais: “não havia interesse de que as mulheres soubessem da contaminação por razões óbvias”, avisou.

O pesquisador considera que é importante proibir a comercialização de mercúrio, cumprindo o Acordo de Minamata, do qual o Brasil é signatário. Décio revela que a principal via de chegada da substância às áreas de garimpo ilegal é por meio de empresas odontológicas de fachada, que adquirem o produto alegando uso clínico, mas o desviam para serem usados na extração de ouro (com o calor, o mercúrio evapora e resta o ouro).

Situação limite no território Yanomami

A nova gestão do Ministério da Saúde decretou emergência em saúde pública no território Yanomami em janeiro de 2023, após ser revelada a situação extrema de saúde. A Sumaúma Jornalismo expôs que 570 crianças da etnia morreram por causas evitáveis nos quatro anos do governo Bolsonaro. 

Mas não é de hoje que os indígenas pedem socorro devido à invasão garimpeira. Entre 2012 e 2021, o garimpo de ouro cresceu 500%. Só em 2022, revela o relatório “Yanomami sob Ataque”, esse crime avançou 46% na terra indígena, que também é a área com o maior número de requisições formais para mineração. No Brasil, há cerca de 20 mil garimpeiros na Terra Yanomami, povo cuja população é de cerca de 30 mil indígenas, de acordo com a Sesai. 

“As mulheres estão muito preocupadas, pois as crianças já estão nascendo com malformação. Estão caindo os cabelos e de novo sentindo coceira”, afirmou Dário Kopenawa, presidente da Associação Hutukara Yanomami. 

Qual o futuro da saúde indígena?

Um dos desafios agora é rever os recursos deste ano para a Sesai do Ministério da Saúde, que atende mais de 762 mil indígenas aldeados em todo o Brasil. “É preciso primeiro recompor o orçamento, porque um levantamento que fizemos mostrou que [o que tem previsto] daria para garantir só os serviços básicos de saúde por apenas quatro meses”, explica a ministra Sônia Guajajara. 

No Projeto de Lei Orçamentária (PLOA), encaminhado por Jair Bolsonaro ao Congresso, estavam previstos R$ 664 mil para “Promoção e Recuperação da Saúde Indígena”. Durante o processo de transição para o governo de Luís Inácio Lula da Silva, o valor triplicou para R$ 1,5 milhão. Os dados são do Siga Brasil

O que é preciso fazer

O que está previsto

1

Capacitar profissionais de diversas

áreas da saúde para identificar

os efeitos do mercúrio

nos pacientes indígenas

1

Combater o garimpo ilegal,

dando prioridade, à Terra Yanomami

2

Recompor o orçamento

da saúde indígena

2

Criar serviço de regulação

e referenciamento dos pacientes para

o Centro de Referência para

as Patologias Decorrentes do Mercúrio

3

Retomar as condições necessárias

para que a Funai volte a desempenhar

o seu papel institucional

3

Criar um parâmetro brasileiro

e amazônico para a contaminação

com mercúrio

Fonte Ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara

4

Estruturar um laboratório em regiões

estratégicas para garantir acesso

a exames, testagem, com condições

para os profissionais

Fonte Reportagem GN e Azmina

Foto Agência brasil

O que é preciso fazer

1

Capacitar profissionais de diversas

áreas da saúde para identificar

os efeitos do mercúrio

nos pacientes indígenas

2

Criar serviço de regulação

e referenciamento dos pacientes para

o Centro de Referência para

as Patologias Decorrentes do Mercúrio

3

Criar um parâmetro brasileiro

e amazônico para a contaminação

com mercúrio

4

Estruturar um laboratório em regiões

estratégicas para garantir acesso

a exames, testagem, com condições

para os profissionais

Fonte Reportagem GN e Azmina

O que está previsto

1

Combater o garimpo ilegal,

dando prioridade, à Terra Yanomami

2

Recompor o orçamento

da saúde indígena

3

Retomar as condições necessárias

para que a Funai volte a desempenhar

o seu papel institucional

Fonte Ministra dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara

Foto Agência brasil

A equipe de reportagem perguntou ao Ministério da Saúde sobre a quantidade dos atendimentos médicos realizados nas comunidades indígenas em 2022. Segundo o órgão, “foram realizados 5.608 atendimentos em 136 aldeias” – o que, numa conta superficial, daria uma média de três atendimentos por mês em cada comunidade. 

Sobre a contaminação por mercúrio de mulheres e crianças, a ministra dos Povos Indígenas percebe a necessidade de laboratórios em regiões estratégicas para facilitar o acesso a exames, testagem das pessoas e da água. “São coisas muito básicas. Precisa ter uma equipe permanente, não só um médico que vem a cada três meses, ou mensal”, afirmou Sônia Guajajara, acrescentando que isso não ocorre porque não sai do papel, mas a lei garante uma equipe multidisciplinar.

Ela afirma que o combate às atividades ilícitas nos territórios indígenas é prioridade no ministério atualmente. “Trouxemos essa urgência para que a Funai volte a assumir a sua missão institucional, que é proteger os povos indígenas, ao invés de ficar promovendo perseguição, garimpo e agronegócio nos territórios.” 

 


 

Matéria feita em parceria com

Reportagem: Adriana Amâncio e Anelize Moreira

Edição e revisão: Ana Carolina Araújo, Joana Suarez, Vitória Régia da Silva, Maria Martha Bruno

Infografia e design: Victoria Sacagami 

Quem leu essa Reportagem também viu:

Adriana Amâncio

Jornalista formada pela Universidade Joaquim Nabuco (PE) com 25 anos de experiência em assessoria de comunicação e reportagem nas áreas de direitos humanos, gênero e meio ambiente. É da equipe Inclusão e Diversidade do Colabora – jornalismo sustentável, e já assinou matérias em veículos como o O Joio e o Trigo, Gênero e Número, Marco Zero Conteúdo, ((o)) Eco e Saiba Mais e assinou reportagens para o The Brazilian Report nas eleições 2022. Venceu o edital “Primeira Infância e a cobertura das eleições”, realizado pelos veículos Nós, Mulheres da Periferia, Alma Preta Jornalismo, Amazônia Real e Marco Zero Conteúdo, com o apoio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. Já recebeu o Prêmio Sassá de Direitos Humanos, além de ser premiada por As Amazonas, Abraji e pela Embaixada dos Estados Unidos com o podcast “Cidadãs das Águas”, no curso Podcast: o seu conteúdo para o mundo.

Anelize Moreira

Anelize Moreira atua há 12 anos em reportagens voltadas aos direitos humanos, com passagens pelas redações da Rádio Brasil Atual e Brasil de Fato. Atualmente é repórter freelancer, roteirista e narradora de podcast, mentora do Prêmio Jovem Jornalista Pacheco Jordão e membro da coordenação do módulo de coberturas jornalísticas do projeto Repórter do Futuro da Oboré. Em 2022, foi finalista do Prêmio Vladimir Herzog de Jornalismo e Direitos Humanos com a reportagem ‘Educação árida: mudanças climáticas dificultam o acesso à escola’. Em 2015, foi agraciada com o Prêmio Feac de Jornalismo pela reportagem sobre as iniciativas socioambientais na periferia da zona leste de São Paulo. Em 2013, recebeu menção honrosa do Prêmio Vladimir Herzog pela série de reportagens sobre violência obstétrica.

Se você chegou até aqui, apoie nosso trabalho.

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta seus dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

Quero apoiar ver mais