Mulheres vão ocupar apenas 18% das cadeiras nas assembleias dos estados

 

Nas eleições de 2022, o número de deputadas estaduais cresceu de 163 para 190 nas Assembleias Legislativas do país. Enquanto o número de mulheres brancas eleitas continuou praticamente o mesmo, o de negras  (pretas e pardas) subiu de 51 para 74 cadeiras. Ainda assim, elas são minoria no legislativos estaduais.

As mulheres são 18% do total de deputados estaduais e distritais eleitos no país, pouco mais da metade do mínimo de 30% exigido entre as candidaturas para estas casas, segundo a lei de cotas. 

Deputados estaduais candidatos e eleitos por gênero e raça

MULHERES

homens

total por gênero

candidato(a)s

9,6 mil

eleito(a)s

187

868

Homens correspondem a 82% dos eleitos

19 mil

por raça e gênero

negro(a)s

branco(a)s

candidato(a)s

eleito(a)s

MULHERES

7%

10,7%

17,7%

15,4%

32,3%

33%

28,5%

53,4%

homens

Mulheres negras correspondem a 7% do total de eleitos

*Foram eleitas apenas 1 mulher indígena e 1 mulher amarela, o que representa 0,1% no total de eleitos

fonte tse

Deputados estaduais candidatos e eleitos por gênero e raça

MULHERES

homens

total por gênero

candidato(a)s

9,6 mil

eleito(a)s

187

868

Homens correspondem a 82% dos eleitos

19 mil

por raça e gênero

negro(a)s

branco(a)s

candidato(a)s

eleito(a)s

MULHERES

10,7%

7%

17,7%

15,4%

33%

32,3%

53,4%

28,5%

homens

Mulheres negras correspondem a 7% do total de eleitos

*Foram eleitas apenas 1 mulher indígena e 1 mulher amarela, o que representa 0,1% no total de eleitos

fonte tse

Enquanto o Amapá continua sendo o estado com maior proporção de eleitas (29,2%), o Mato Grosso está na outra ponta, com apenas uma mulher eleita (4% do total de cadeiras). Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Goiás também foram estados que elegeram menos de 10% de mulheres para suas assembleias legislativas. 

Ranking de deputadas estaduais eleitas por UF

MULHERES

n° de cadeiras

por estado

0

100%

AP | 24

29,2%

MA | 42

28,6

SP | 70

26,6

Em 2018, o Amapá também foi o estado com maior no de deputadas

AL | 27

22,2

RJ | 70

21,4

AM | 24

20,8

RN | 24

20,8

RO | 24

20,8

RR | 24

20,8

SE | 24

20,8

RS | 55

20

CE | 43

19,6

MG | 77

19,5

PR | 54

18,5

PA | 41

17,1

DF | 24

16,7

PB | 36

16,7

ES | 30

13,3

PI | 30

13,3

BA | 63

12,7

AC | 24

12,5

TO | 24

12,5

PE | 49

12,2

Das 24 cadeiras no

Mato Grosso, apenas

uma mulher foi eleita,

equivalente a 4%

9,8

GO | 41

MS | 24

8,3

SC | 40

7,5

MT | 24

4,2

30%

Cota de candidaturas femininas

Cotas femininas se aplicam apenas para candidaturas e não para o número de cadeiras ocupadas

fonte TSE, com dados processados até 05.10.22

Ranking de deputadas estaduais eleitas por UF

n° de cadeiras

por estado

MULHERES

0

100%

AP | 24

29,2%

MA | 42

28,6

Em 2018, o Amapá também foi o estado com maior no de deputadas

SP | 70

26,6

AL | 27

22,2

RJ | 70

21,4

AM | 24

20,8

RN | 24

20,8

RO | 24

20,8

RR | 24

20,8

SE | 24

20,8

RS | 55

20

CE | 43

19,6

MG | 77

19,5

PR | 54

18,5

PA | 41

17,1

DF | 24

16,7

PB | 36

16,7

ES | 30

13,3

PI | 30

13,3

BA | 63

12,7

AC | 24

12,5

TO | 24

12,5

Das 24 cadeiras no Mato Grosso, apenas uma mulher foi eleita, equivalente a 4%

PE | 49

12,2

GO | 41

9,8

MS | 24

8,3

SC | 40

7,5

MT | 24

4,2

30%

Cota de candidaturas femininas

Cotas femininas se aplicam apenas para candidaturas e não para o número de cadeiras ocupadas

fonte TSE, com dados processados até 05.10.22

Gênero e Número

A Gênero e Número é uma associação que produz e distribui jornalismo orientado por dados e análises sobre questões urgentes de gênero, raça e sexualidade, visando qualificar debates rumo à equidade. A partir de linguagem gráfica, conteúdo audiovisual, pesquisas, relatórios e reportagens multimídia alcançamos e informamos uma audiência interessada no assunto.

Se você chegou até aqui, apoie nosso trabalho.

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta seus dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

Quero apoiar ver mais