Lucélia Pankará

Adriana Amâncio

Em março de 1997, em uma cerimônia espiritual na presença dos encantados, Lucélia Pankará teve o seu nome referendado como a primeira cacique do povo Pankará.

Casada, mãe de dois filhos e avó de três netos, Lucélia afirma que guiar o seu povo, formado por cerca de 1.500 famílias, é um grande desafio. “É difícil conciliar o cuidado com a minha família pessoal e a minha família maior. Eu peço sabedoria, aos encantados para cumprir a minha missão”.

Na aldeia, as famílias vivem da pesca e do cultivo de alimentos como cebola, milho, coco, melão e melancia, além da renda de programas sociais e do trabalho na escola Josefa Alice.

Lucélia explica que é na oca, casa de palha construída em formato circular, que os membros da aldeia louvam, agradecem e pedem bênçãos aos ancestrais. Na tarde em que a reportagem esteve no local, alguns membros realizaram um toré.

Em círculo, eles entoam cânticos que pronunciam os nomes dos encantados. Logo após alguns minutos, a energia muda, uma vibração forte toma conta, a fé compartilhada pelo grupo se intensifica e aparece no semblante em transe, nos pés que tocam o chão com mais firmeza. A voz evoca os ancestrais com mais intensidade.

Quem leu essa Reportagem também viu:

Adriana Amâncio

Jornalista formada pela Universidade Joaquim Nabuco (PE) com 25 anos de experiência em assessoria de comunicação e reportagem nas áreas de direitos humanos, gênero e meio ambiente. É da equipe Inclusão e Diversidade do Colabora – jornalismo sustentável, e já assinou matérias em veículos como o O Joio e o Trigo, Gênero e Número, Marco Zero Conteúdo, ((o)) Eco e Saiba Mais e assinou reportagens para o The Brazilian Report nas eleições 2022. Venceu o edital “Primeira Infância e a cobertura das eleições”, realizado pelos veículos Nós, Mulheres da Periferia, Alma Preta Jornalismo, Amazônia Real e Marco Zero Conteúdo, com o apoio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal. Já recebeu o Prêmio Sassá de Direitos Humanos, além de ser premiada por As Amazonas, Abraji e pela Embaixada dos Estados Unidos com o podcast “Cidadãs das Águas”, no curso Podcast: o seu conteúdo para o mundo.

Se você chegou até aqui, apoie nosso trabalho.

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta seus dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

Quero apoiar ver mais