Pacientes aguardam atendimento em Unidade Básica de Saúde do Paranoá, no Distrito Federal (Brasília - DF, 04/03/2024). Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Dois em cada três mortos por dengue no DF são pessoas negras

Distrito Federal lidera os registros de casos de dengue, com 4,2 mil por 100 mil habitantes nas primeiras nove semanas de 2024

Schirlei Alves

Diego Nunes da Rocha

  • Dados de raça incompletos

    ver mais
  • Combate à dengue

    ver mais
  • Mudanças climáticas aceleram reprodução do Aedes aegypti

    ver mais

A epidemia de dengue, que atinge com maior intensidade as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil, chegou adiantada em 2024 e com mais força do que nos anos anteriores. O Distrito Federal (DF) é a unidade da federação com maior número de casos suspeitos da doença, com 4,2 mil registros por 100 mil habitantes. Minas Gerais e Espírito Santo estão logo atrás, com 1,9 mil e 1,4 mil casos por 100 mil habitantes, respectivamente.

Levantamento da Gênero e Número com base nos dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) revela que duas em cada três mortes por dengue no DF são de pessoas negras (pretas e pardas), o que representa 66% do total, enquanto 59% da população da capital é negra, de acordo com o Censo 2022.

Casos suspeitos de dengue por UF

Primeiras nove semanas de 2024

n° de casos por

100 mil habitantes

4.500

casos

df

O Distrito Federal tem mais que o dobro de casos de dengue por 100 mil habitantes que Minas Gerais, em segundo no ranking.

4.000

3.500

3.000

2.500

2.000

MG

1.500

PR

ES

1.000

GO

AC

RJ

500

MS

RS

AM

PA

AP

PI

SC

SP

RO

RN

AL

TO

PB

SE

CE

MT

MA

BA

RR

PE

0

4,2 mil

casos de de dengue por 100 mil habitantes no Distrito Federal durante as nove primeiras semanas de 2024.

Fonte Sinan

Casos suspeitos de dengue por UF

Primeiras nove semanas de 2024

n° de casos por

100 mil habitantes

4.500

casos

O Distrito Federal tem mais que o dobro de casos de dengue por 100 mil habitantes que Minas Gerais, em segundo no ranking.

df

4.000

3.500

3.000

2.500

2.000

MG

1.500

PR

ES

1.000

GO

AC

RJ

500

RS

PA

PI

SC

SP

RO

RN

MT

MA

BA

TO

PB

SE

RR

MS

AM

AP

AL

CE

PE

0

4,2 mil

casos de de dengue por 100 mil habitantes no Distrito Federal durante as nove primeiras semanas de 2024.

Fonte Sinan

ler Assine a nossa newsletter semanal

Para Adriano Oliveira, diretor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES/DF), as arboviroses — doenças causadas por vírus e transmitidas por mosquitos — são enfermidades de determinação social em decorrência das características do modo de transmissão.

aspa

[A transmissão] está relacionada à ocupação urbana desordenada, ao depósito de resíduos sólidos, aos sistemas de saneamento básico. As pessoas que vivem em territórios mais vulnerabilizados estão mais sujeitas a esse tipo de doença”

“Como nós sabemos que pessoas negras, historicamente, predominam entre moradores de territórios vulnerabilizados, esse recorte populacional termina sendo o que mais tem registros desse tipo de doença”, completa Oliveira.

Casos e mortes por dengue no Distrito Federal

Primeiras nove semanas de 2024

mortes por raça

distrito federal

brasil

66%

negros

51%

negros

+15 pontos

percentuais

2 em cada 3

mortos por dengue no Distrito Federal são pessoas negras

37%

brancos

11%

brancos

23%

ignorados

10%

ignorados

2% amarelos

0% amarelos

0% indígenas

0% indígenas

59%

da população do Distrito Federal é negra

casos por raça

distrito federal

brasil

46%

negros

56%

negros

+10 pontos

percentuais

36%

brancos

16%

brancos

26%

ignorados

17%

ignorados

1% amarelos

2% amarelos

0% indígenas

0% indígenas

Fonte Sinan e Censo 2022

Casos e mortes por dengue no Distrito Federal

Primeiras nove semanas de 2024

mortes por raça

brasil

distrito federal

51%

negros

66%

negros

+15 pontos

percentuais

2 em cada 3

mortos por dengue no Distrito Federal são pessoas negras

37%

brancos

11%

brancos

23%

ignorados

10%

ignorados

2% amarelos

0% amarelos

0% indígenas

0% indígenas

59%

da população do Distrito Federal é negra

casos por raça

brasil

distrito federal

56%

negros

46%

negros

+10 pontos

percentuais

36%

brancos

16%

brancos

26%

ignorados

17%

ignorados

1% amarelos

2% amarelos

0% indígenas

0% indígenas

Fonte Sinan e Censo 2022

Dados de raça incompletos

Nas primeiras nove semanas de 2024 o Distrito Federal registrou quase 120 mil casos suspeitos de dengue, 12 vezes mais que no mesmo período do ano anterior, quando foram notificados menos de dez mil casos.

A sobrecarga de atendimento nos serviços de saúde também impacta o preenchimento dos dados dos pacientes. Em 26% dos casos suspeitos de dengue não havia a informação de raça. Nas primeiras 9 semanas de 2023, a informação não foi preenchida em 19% dos casos.

Para Adriano Oliveira, a falha no preenchimento dos dados cadastrais dos pacientes ocorre também porque não existe integração dos sistemas — os dados do prontuário eletrônico precisam ser preenchidos manualmente no Sinan. Ele afirma que o mesmo problema ocorre com o cadastro do endereço das pessoas.

“Estamos vivenciando o maior registro de casos da história do Distrito Federal. Nossos serviços estão à beira do colapso. Estamos ampliando o serviço, contratando serviços complementares e acionamos as Forças Armadas. Nesse cenário, manter registros em tempo adequado e qualificados, com todas as informações clínicas necessárias, inclusive no quesito raça/cor, tem sido muito difícil”, diz.

ler Entre as gestantes e puérperas mortas por covid-19, 54% são negras

Um dos fatores para a alta demanda, afirma Oliveira, seria a dimensão populacional, uma vez que o DF já chegou à marca dos quase 3 milhões de habitantes e o cinturão de municípios goianos, que vivem em função do DF, acrescentam quase 2 milhões de habitantes ao sistema de saúde.

Combate à dengue

Leonardo Bastos, pesquisador em saúde pública da da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e coordenador do InfoDengue, lembra que as medidas de combate à dengue dependem tanto de iniciativas individuais, como limpar a casa e o entorno da residência, quanto do esforço das autoridades públicas. Para evitar a picada do mosquito Aedes aegypti, que não provoca dor nem coceira, é preciso dificultar a sobrevivência dele.  

“Quando estoura uma epidemia, quando chega o período de chuva, o volume [de mosquito] é muito grande, então é muito difícil de controlar. A gente tenta fazer ações individuais, como o uso de repelente ou de roupas compridas, para dificultar a picada”, aponta Bastos.

O pesquisador, no entanto, faz uma ressalva sobre as campanhas públicas de uso de repelente sem a distribuição gratuita do produto, pois nem todas as pessoas têm condições financeiras para adquiri-lo e proteger toda a família.

ler Pandemia derruba exames para diagnóstico de câncer de mama em 28% no SUS

Bastos também alerta para a necessidade de treinamento dos profissionais de saúde, uma vez que o diagnóstico precoce e o tratamento eficaz podem evitar mortes.

aspa

Os profissionais do serviço de saúde têm que estar atentos e treinados para identificar um caso grave. Se o caso começa a se agravar e é tratado rapidamente, a chance de ir a óbito é muito pequena”

Ethel Maciel, da Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente (SVSA), afirma que o Ministério da Saúde ofereceu, no final do ano passado, um treinamento para os coordenadores de arboviroses (dengue, chikungunya e zika) dos estados, capitais e municípios que já apresentaram alta em 2023, além de repassar R$ 256 milhões a estados e municípios para se prepararem para 2024, dado que já havia previsão de aumento de casos.

Mudanças climáticas aceleram reprodução do Aedes aegypti

Os especialistas ouvidos pela reportagem afirmam que o aumento de casos de dengue no mundo tem se dado por conta das mudanças climáticas. Segundo Leonardo Bastos, o pico costuma ocorrer no final de fevereiro e início de março no Brasil. Em 2024, a situação se agravou logo no começo de janeiro.

As condições propícias para o mosquito se desenvolver são as temperaturas entre 20º e 30ºC e chuvas prolongadas que provoquem focos de água para eclosão dos ovos e liberação das larvas.

“O [fenômeno climático] El Niño faz com que o clima, de forma geral, mude. Mudou o padrão de chuva e de temperatura, e isso fez com que vários municípios tivessem condições mais propícias para o mosquito”, destaca.

ler Até quando vamos contar corpos à espera de adaptação climática nas cidades?

Bastos também lembra que a temperatura da região Sul tem aumentado por conta do aquecimento global. A mudança foi suficiente para que o mosquito chegasse a essas regiões e se estabelecesse ao longo dos últimos anos.

“As condições de chuva e temperatura ficaram razoáveis para o mosquito em um período longo de tempo. Está tendo epidemia de dengue no Norte da Argentina, não demora vai ter em Buenos Aires, Uruguai, justamente por conta disso”, completa.

Adriano Oliveira, da Vigilância Epidemiológica do Distrito Federal, reforça que a combinação de altas temperaturas e chuva acelera o ciclo de evolução do mosquito – do ovo para o mosquito adulto -, o que faz com que ele se reproduza mais rapidamente e de forma escalonada.

Vacinação prioriza crianças e adolescentes

O Ministério da Saúde adquiriu todo o estoque de vacinas contra a dengue disponíveis no laboratório japonês Takeda, o que representa 5,2 milhões de doses, que serão entregues até novembro de 2024. Mais 1,32 milhão de doses serão fornecidas sem custo ao Brasil e outras 9 milhões estarão disponíveis para 2025.

Segundo Eder Gatti, diretor do Departamento do Programa Nacional de Imunizações (DPNI), a capacidade de produção do laboratório é menor do que a necessidade por causa do tamanho da população brasileira. O efeito, portanto, será a longo prazo.

A pasta decidiu priorizar crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, considerando que é a faixa etária que mais necessita de hospitalização. Também há prioridade para regiões que tenham registrado mais casos do sorotipo 2 — para o qual os resultados da vacina apresentaram melhor desempenho. Até o momento, são conhecidos quatro sorotipos da dengue (DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4).

Gatti garante que um acordo está sendo encaminhado entre o laboratório japonês e o laboratório Bio-Manguinhos, da Fiocruz, para contribuir com a produção de vacinas. Também existe uma aproximação do Ministério com o laboratório Butantã — que tem trabalhado no desenvolvimento de uma vacina própria.

“O Brasil está em um esforço de transformar a dengue em uma doença imunoprevenível”, afirma o diretor do DPNI.

MEDIDAS DE PREVENÇÃO À DENGUE

Limpar calhas, lajes das casas e piscinas

Manter bem fechados recipientes/locais de armazenamento de água, como caixas d’água, poços, latões e tambores.

Guardar garrafas vazias de boca para baixo.

Eliminar a água acumulada em plantas

Verificar se existem pneus, latas ou qualquer outro objeto que possa acumular água nos terrenos baldios.

Evite o uso de pratos nos vasos de plantas. Caso opte por sua utilização, não deixe acumular água neles e nos xaxins. Coloque areia, preenchendo o prato até sua borda, ou lave-o semanalmente

Lave os bebedouros de animais e troque a água pelo menos uma vez por semana.

Não deixe depósitos de água abertos (ex.: potes, tambores, filtros, tanques).

Não jogar lixo em terrenos baldios.

Manter o lixo tampado e seco até seu recolhimento.

Tampar as garrafas antes de colocá-las no lixo.

Separar copos descartáveis, tampas de garrafas, latas, embalagens plásticas, enfim, tudo que possa acumular água.

Fechar bem em sacos plásticos e colocar no lixo.

 

Fonte: Cartilha sobre o controle da dengue do Ministério da Saúde

Metodologia

Os dados sobre as notificações de dengue foram extraídos do DataSUS no dia 08 de março de 2024, às 16h12, e são referentes ao período de 31 de dezembro de 2023 a 02 de março de 2024. As informações sobre o Espírito Santo estão disponíveis em uma plataforma separada. Foram realizados cruzamentos de notificações de casos de dengue por sexo e raça para todo território nacional, com exceção do Espírito Santo, e com foco específico no Distrito Federal.

Analisamos apenas as mortes em que há confirmação de óbito por dengue. O ranking de casos por estado foi feito a partir das notificações na unidade da federação e do cálculo por 100 mil habitantes.

Quem leu essa Reportagem também viu:

Schirlei Alves

Atua com jornalismo investigativo orientado por dados e sob a perspectiva dos direitos humanos. Formada desde 2008 pela Univali, colaborou para o Epoch Times, no Canadá, e atuou como repórter nos principais jornais do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Seus trabalhos mais recentes foram para a Folha de S.Paulo, Abraji, Agência Lupa, O Joio e O Trigo, The Intercept Brasil e Portal Catarinas. Recebeu como reconhecimento os prêmios ABCR de Jornalismo, Unimed e RBS. Em 2022, concluiu especialização em Jornalismo de Dados, Automação e Data Storytelling pelo Insper.

Diego Nunes da Rocha

Diego Nunes da Rocha é graduado e mestre em Ciências Sociais pelo PPGSA/UFRJ e doutorando em Sociologia no IESP-UERJ. Pesquisador associado do Ceres (Centro para o Estudo da Riqueza e Estratificação Social), Diego tem interesse em estratificação social, em especial no campo educacional. É analista de dados da Gênero e Número.

Se você chegou até aqui, apoie nosso trabalho.

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta seus dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

Quero apoiar ver mais