Candidaturas trans despontam nas eleições 2016

Por Maria Lutterbach*

por Gênero e Número

A discriminação contra pessoas transexuais e travestis, que geralmente começa na vida escolar e as deixa à margem do mercado formal de trabalho, se revela mesmo quando elas conseguem furar todas as barreiras de exclusão para disputar um lugar na política. A publicação do nome de registro desses candidatos no site do Tribunal Superior Eleitoral é só um dos constrangimentos enfrentados pela minoria, que tem entre suas principais bandeiras justamente o uso do nome social – aquele com o qual se apresentam e querem ser identificadas. Travestis e transexuais que ainda não alteraram oficialmente seu nome têm hoje suas candidaturas associadas ao sexo biológico, e não ao gênero com o qual se identificam. Apesar de não haver atualmente nenhum levantamento oficial no Brasil sobre eleições que inclua travestis e transexuais, a militância pela primeira vez se articulou para identificar aqueles que disputam vagas à prefeitura e à vereança neste pleito em todas as regiões do país. Confira os destaques da pesquisa inédita na vídeo-reportagem abaixo e entenda como a ausência de dados sobre esta população perpetua a sua invisibilidade e se relaciona diretamente à escassez de políticas públicas para essa minoria.

Maria Lutterbach é jornalista e codiretora da Gênero e Número

ler Mais sobre Mulheres na Política ler Fale Conosco ler Apoie

Gênero e Número

A Gênero e Número é uma empresa social que produz e distribui jornalismo orientado por dados e análises sobre questões urgentes de gênero e raça, visando qualificar debates rumo à equidade. A partir de linguagem gráfica, conteúdo audiovisual, pesquisas, relatórios e reportagens multimídia alcançamos e informamos uma audiência interessada no assunto.

Se você chegou até aqui, apoie nosso trabalho.

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.


Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta seus dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

Quero apoiar ver mais