Entre os adolescentes, são as meninas que mais sofrem com a saúde mental

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) mostra que entre jovens de 13 a 17 anos, 26,5% das meninas disseram já ter sofrido bullying e  29,6% afirmaram sentir que a vida não merece ser vivida; DataSus revela que elas são 59% das vítimas de lesões autoprovocadas nesta faixa etária**

Por Agnes Sofia Guimarães e Victoria Sacagami*

por Gênero e Número

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, as condições de saúde mental são responsáveis por 16% da carga total de doenças e lesões em pessoas com idades entre 10 e 19 anos em todo o mundo. 

Dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indicam que para além dos índices sobre desempenho escolar, alimentação e atividades físicas, a saúde mental de jovens de 13 a 17 anos precisa de atenção. Principalmente as meninas, que estão sofrendo mais. 

Elas são também as principais vítimas de lesões autoprovocadas, 59% dos casos, como mostram as estatísticas do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN), do DataSUS. Consideram-se lesões autoprovocadas quando os jovens provocam cortes e outros ferimentos em si próprios.

O relatório do IBGE e os dados do DataSUS são referentes a 2019, ano anterior à pandemia – que, sabemos, trouxe desafios diversos para nossos jovens.

 

CONFIRA: E a sua saúde mental, anda bem? Responda a nossa enquete

Saúde mental na adolescência

Apesar de menos meninas dizerem que não têm amigos próximos, dados mostram situação mais preocupante entre elas

por gênero

meninas

meninos

não têm amigos

próximos

4.2%

3.8%

26.5%

19.5%

já foram vítimas

de bullying

27%

autopercepção

negativa

de saúde mental

8%

29.6%

13%

sentem que a vida não merece

ser vivida

39.8%

19.9%

sentiram que

ninguém

se preocupa

com eles/as

44.9%

54.6%

17.5%

sentiram-se

tristes

26.7%

sentiram-se

irritados/as,

nervosos/as ou

mal-humorados/as

59.8%

41.1%

sentiram-se muito

preocupados/as

com o dia a dia

por idade

13 - 17

16 - 17

anos

anos

sentiram-se muito

preocupados/as com o dia a dia

47.2%

56.8%

autopercepção negativa de saúde mental

16.9%

19.1%

não têm amigos

próximos

3.6%

4.8%

500

registros no SUS de autolesões

(cortes, por ex.) em meninos

e meninas de 12 a 17 anos

59%

entre meninas

fonte PeNSE/IBGE - 2019 E Sinan/SUS

Saúde mental

na adolescência

Apesar de menos meninas

dizerem que não têm

amigos próximos, dados

mostram situação mais

preocupante entre elas

por gênero

meninas

meninos

4.2%

3.8%

não têm amigos

próximos

26.5%

19.5%

já foram vítimas

de bullying

27%

8%

autopercepção

negativa

de saúde mental

29.6%

13%

sentem que a vida não merece

ser vivida

39.8%

19.9%

sentiram que

ninguém

se preocupa

com eles/as

44.9%

17.5%

sentiram-se

tristes

54.6%

26.7%

sentiram-se

irritados/as,

nervosos/as ou

mal-humorados/as

59.8%

41.1%

sentiram-se muito

preocupados/as

com o dia a dia

por idade

13 - 17

16 - 17

anos

anos

47.2%

56.8%

sentiram-se muito preocupados/as com o dia a dia

16.9%

19.1%

autopercepção negativa

de saúde mental

3.6%

4.8%

não têm amigos próximos

500

registros no SUS de autolesões (cortes, por ex.) em meninos

e meninas de 12 a 17 anos

59%

entre meninas

fonte

PeNSE/IBGE - 2019

E Sinan/SUS

Caso você esteja precisando de ajuda, procure serviços especializados como o CVV (Centro de Valorização da Vida) e os CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) da sua cidade. O CVV funciona 24 horas por dia (inclusive aos feriados) pelo telefone 188, e também atende por e-mail, chat e pessoalmente.

 

LEIA TAMBÉM: Pessoas negras são 57% das vítimas de autolesão entre LGBTs+

 

Acesse a base de dados da reportagem aqui

*Agnes Sofia Guimarães é repórter e Victoria Sacagami é designer da Gênero e Número

* *Este conteúdo foi  produzido com o apoio da empresa de aprendizagem internacional Pearson.

Gênero e Número

A Gênero e Número é uma empresa social que produz e distribui jornalismo orientado por dados e análises sobre questões urgentes de gênero e raça, visando qualificar debates rumo à equidade. A partir de linguagem gráfica, conteúdo audiovisual, pesquisas, relatórios e reportagens multimídia alcançamos e informamos uma audiência interessada no assunto.

Se você chegou até aqui, apoie nosso trabalho.

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.


Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta seus dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

Quero apoiar ver mais