Apesar da queda em ataques à imprensa, agressões por motivos de gênero crescem

Monitoramento da Abraji aponta que metade dos ataques de homens a jornalistas mulheres ativou o alerta de gênero, enquanto esse foi o caso de um dos 91 ataques a jornalistas homens

Aline Gatto Boueri

  • Machismo e transfobia são ataques mais comuns

    ver mais
  • Plataformas, Estado e mídia têm responsabilidade

    ver mais

Em 2013, Lisa Gomes, repórter do TV Fama, da Rede TV, se tornou a primeira mulher trans a trabalhar na televisão brasileira. Dez anos depois, enquanto se preparava para entrevistar o cantor sertanejo Bruno, da dupla com Marrone, ela se tornou também alvo de violência transfóbica.

A agressão a Lisa está registrada no Monitoramento de ataques gerais e violência de gênero contra jornalistas 2023, lançado pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) na última semana de março.

O levantamento indica que os ataques à imprensa caíram 60% entre 2022 e 2023, mas 9% das agressões contra jornalistas dispararam um alerta de gênero no ano passado, enquanto o mesmo aconteceu com 6% dos ataques praticados em 2022. O alerta é usado quando o sexo, a orientação sexual ou a identidade de gênero da vítima é mencionada ou usada para atacá-la.

ler Assine a nossa newsletter semanal
Um gráfico de área proporcional circular mostra a quantidade de agressões contra jornalistas em 2022 e 2023.

Agressões contra jornalistas

Agressões

feitas por

homens

2022

600

agressões

2023

205

Agressões

feitas por

mulheres

57

77

Fonte Monitoramento de ataques gerais e violência de gênero contra jornalistas (Abraji)

Um gráfico de área proporcional circular mostra a quantidade de agressões contra jornalistas em 2022 e 2023.

Agressões contra jornalistas

Agressões

feitas por

homens

2022

600

agressões

2023

205

mulheres

57

77

Fonte Monitoramento de ataques gerais e violência de gênero contra jornalistas (Abraji)

No último ano do governo de Jair Bolsonaro, a Abraji registrou 1.038 ataques e agressões à imprensa, dos quais 66 dispararam o alerta de gênero. Já no primeiro ano do governo Lula, a associação identificou 409 ataques, dos quais 36 tinham relação com sexo, identidade de gênero ou orientação sexual.

Foi o caso de Lisa, questionada pelo sertanejo sobre sua genitália. Dias depois, seu cinegrafista identificou nas imagens captadas que o cantor tocou suas próprias partes íntimas enquanto fazia o comentário transfóbico. O episódio teve impacto na vida pessoal e profissional da repórter.

“Não é simplesmente a pergunta que o Bruno me fez. É porque [esse episódio] trouxe alguns gatilhos da época que eu não me aceitava como uma mulher trans. Eu sempre bati de frente com isso, com medo da minha família. E esse medo fazia com que eu pensasse em acabar com a minha vida ou em me mutilar para me ver como uma mulher. Quando o Bruno me faz aquela pergunta, ele me traz todas essas lembranças”, relata Lisa.

ler Mulheres trans e travestis jovens concentram casos de autolesões
Gráfico de pontos aglomerados usado para mostrar a relação dos alertas de gênero em agressões à imprensa.

Alerta de gênero em agressões à imprensa [2023]

Metade dos ataques de homens a jornalistas mulheres ativou o alerta de gênero

9%

das agressões contra jornalistas ativaram o alerta de gênero, ou seja, tinham relação com sexo, identidade de gênero ou orientação sexual.

agressões que ativaram

o alerta de gênero

Agressões

feitas por

homens

contra

homens

91 agressões

1 alerta

mulheres

37 agressões

17 alertas

imprensa

77 agressões

Em 2023, metade das agressões de homens a jornalistas mulheres ativou o alerta de gênero.

Agressões

feitas por

mulheres

contra

homens

18 agressões

2 alertas

mulheres

10 agressões

2 alertas

não binários

1 agressão

1 alerta

imprensa

48 agressões

Fonte Monitoramento de ataques gerais e violência de gênero contra jornalistas (Abraji)

Gráfico de pontos aglomerados usado para mostrar a relação dos alertas de gênero em agressões à imprensa.

Alerta de gênero em agressões à imprensa [2023]

Metade dos ataques de homens a jornalistas mulheres ativou o alerta de gênero

9%

das agressões contra jornalistas ativaram o alerta de gênero, ou seja, tinham relação com sexo, identidade de gênero ou orientação sexual.

agressões que ativaram

o alerta de gênero

Agressões

feitas por

homens

contra

homens

91 agressões

1 alerta

mulheres

37 agressões

17 alertas

Em 2023, metade das agressões de homens a jornalistas mulheres ativou o alerta de gênero.

imprensa

77 agressões

Agressões

feitas por

mulheres

contra

homens

18 agressões

2 alertas

mulheres

10 agressões

2 alertas

não binários

1 agressão

1 alerta

imprensa

48 agressões

Fonte Monitoramento de ataques gerais e violência de gênero contra jornalistas (Abraji)

Além disso, a jornalista conta que tem dificuldade em passar novamente pelo lugar onde ocorreu o ataque, a casa de shows Villa Country, em São Paulo. Lisa também passou a ter dificuldades para entrevistar outros artistas sertanejos.

“Entrevistar sertanejo para mim é um tormento. Eu chego e começo a trabalhar na minha cabeça que aquilo não vai acontecer de novo. E aí eu entrevisto, mas de um jeito muito diferente de qualquer outro artista. Eu não entrevisto mais nenhum sertanejo como antes, porque eu acho que eles vão me agredir de alguma forma”, reconhece a repórter.

ler Desinformação e violência nas redes mudam comportamento de jornalistas, mostra pesquisa

Machismo e transfobia são ataques mais comuns

O monitoramento da Abraji mostra que 205 dos ataques à imprensa em 2023 foram realizados por homens, 77 por mulheres e 127 não têm identificação de gênero do autor, casos em que o ataque foi institucional, grupal ou não é possível saber a identidade de quem comete a violência. Metade dos ataques de homens a jornalistas mulheres ativou o alerta de gênero. Entre os ataques feitos por homens a jornalistas homens, esse foi o caso de um entre 91.

“A violência contra mulheres jornalistas é diferente da violência contra homens cis brancos jornalistas. Contra elas os discursos estigmatizantes são muito fortes. São ofensas verbais inseridas numa estrutura de descredibilização”, aponta Rafaela Sinderski, pesquisadora responsável pelo monitoramento da Abraji.

Quando o alerta de gênero é disparado, o tipo de agressão mais comum são comentários ou atos machistas, misóginos, homofóbicos, bifóbicos ou transfóbicos. Foi o caso de 20 dos 36 ataques do tipo em 2023.

“Identificamos muitos comentários sobre sexualidade e aparência. Nas palavras do agressor, é mais importante que ela esteja velha, que o cabelo dela seja feio, que ela seja feia, do que a informação que ela está passando”, comenta Sinderski.

ler “A violência contra mulheres jornalistas é o modus operandi do bolsonarismo”
Gráfico de pontos aglomerados usado para mostrar o motivo dos alertas de gênero em 2023

Motivo do alerta de gênero [2023]

contra

mulheres

homens

não binários

motivo do alerta

comentários machistas,

misóginos, homofóbicos,

bifóbicos ou transfóbicos

Agressões

feitas por

homens

6

agressões

com alertas

Agressões

feitas por

mulheres

4

ato machista, misóginos, homofóbicos, bifóbicos ou transfóbicos

5

ato de violência laboral diferenciado

3

violência digital diferenciada

2

ato de violência sexual

1

1

questionamento de capacidade

1

2 em cada 3

dos alertas de gênero das agressões foram motivados por comentários ou atos machistas, misóginos, homofóbicos, bifóbicos ou transfóbicos

Fonte Monitoramento de ataques gerais e violência de gênero contra jornalistas (Abraji)

Gráfico de pontos aglomerados usado para mostrar o motivo dos alertas de gênero em 2023

Motivo do alerta de gênero [2023]

contra

mulheres

homens

não binários

motivo

do alerta

comentários machistas,

misóginos, homofóbicos,

bifóbicos ou transfóbicos

Agressões

feitas por

homens

6

agressões

com alertas

Agressões

feitas por

mulheres

4

ato machista, misóginos, homofóbicos, bifóbicos ou transfóbicos

5

ato de violência laboral diferenciado

3

violência digital diferenciada

2

ato de violência sexual

1

1

questionamento de capacidade

1

2 em cada 3

dos alertas de gênero das agressões foram motivados por comentários ou atos machistas, misóginos, homofóbicos, bifóbicos ou transfóbicos

Fonte Monitoramento de ataques gerais e violência de gênero contra jornalistas (Abraji)

Plataformas, Estado e mídia têm responsabilidade

Para a pesquisadora, as plataformas precisam fazer um trabalho mais apurado de monitoramento, identificação de agressores e moderação de conteúdo. Sinderski defende que o Estado também deve implementar políticas públicas para responsabilizar agressores e proteger jornalistas de ameaças e agressões nas redes sociais.

“Sem essas medidas, muitos jornalistas vão começar a se autocensurar e isso prejudica muito a qualidade e quantidade de informações de interesse público que são publicadas. Porque se o jornalista está se autocensurando para não passar por violência, inevitavelmente isso vai impactar a informação que o público recebe”, alerta Sinderski.

A pesquisadora da Abraji também lembra que os veículos de comunicação precisam se envolver no suporte a jornalistas que sofrem ataques, como formações sobre proteção de dados e apoio jurídico em casos de assédio judicial, inclusive para freelancers, que ficam mais vulneráveis pela falta de vínculo empregatício.

“Muitas vezes os ataques a profissionais de jornalismo são vistos como problemas individuais, quando são também um problema dos meios de comunicação e para a classe, de maneira geral. Muitos se veem na posição de não ter como lidar com isso do ponto de vista financeiro, mas também emocional ou do ponto de vista informativo, porque não sabem onde buscar orientação”, lembra Sinderski.

ler 20 anos de Visibilidade Trans no Brasil: avanços e desafios

Nos dias seguintes ao ataque que recebeu, Lisa Gomes foi trabalhar normalmente, apesar da oferta para que ficasse afastada por um tempo, feita pela emissora onde trabalha. A repórter conta que recebeu mais apoio psicológico que jurídico para um processo que ainda está em curso.

“O episódio aconteceu numa sexta-feira e na segunda eu já estava trabalhando, mesmo sem ter psicológico para isso, mas foi uma uma escolha minha. Depois de 20 dias, eu adoeci. Tinha febre, dor de cabeça, muitos enjoos. E aí sim precisei me afastar por uns dias por conta da minha saúde”, lembra Lisa, que reconhece que a negativa em se preservar após um episódio de violência também tem relação com questões de gênero no mercado de trabalho para jornalistas.

“Eu estava com medo de sair e que colocassem alguém no meu lugar. Porque qualquer brecha que você der, principalmente na televisão, colocam alguém no seu lugar. E quando se tem um problema como esse é pior ainda. Eu precisava mostrar que eu estava forte, mas eu estava destruída por dentro.”

ler Trans pode tudo, só não pode ser cis

Pesquisas sobre violência de gênero no jornalismo

O levantamento de casos de violência de gênero contra jornalistas não é novidade. Em 2017, a Gênero e Número e Abraji realizaram uma pesquisa sobre os desafios enfrentados por mulheres no jornalismo. Entre as profissionais que responderam o questionário, 73% afirmam que já escutaram piadas de natureza sexual no ambiente de trabalho e 92% ouviram comentários machistas.

Em abril de 2022, a Gênero e Número lançou, em parceria com a Repórteres sem Fronteiras, o relatório Impacto da desinformação e da violência política na internet contra jornalistas, comunicadoras e LGBT+. Schirlei Alves, que foi repórter da Gênero e Número entre fevereiro de 2023 e março de 2024, foi uma das profissionais da imprensa entrevistadas sobre suas experiências para a pesquisa.

Schirlei foi condenada em primeira instância a um ano de prisão em regime aberto e multa de R$400 mil por publicar uma reportagem que teve como resultado a Lei Mariana Ferrer, que aumenta a pena para quem coagir vítimas de crimes sexuais durante processo judicial.

Visualizações de dados feitas com o auxílio da ferramenta “Random Dots Generator“, desenvolvida por Vinicius Sueiro.

Quem leu essa Reportagem também viu:

Aline Gatto Boueri

Jornalista formada pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECo-UFRJ), colabora com a Gênero e Número desde 2017. Metade tijucana e metade porteña, cobre política latino-americana desde 2013, com foco em direitos humanos, feminismos, gênero e raça. Também cuida de criança todos os dias.

Se você chegou até aqui, apoie nosso trabalho.

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta seus dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

Quero apoiar ver mais