close

Negros serão 44% dos vereadores nas capitais brasileiras em 202148 min read

Erika Hilton (PSOL) foi a mulher mais votada em São Paulo | Foto: Facebook

Sul registra menor proporção de negros nas câmaras municipais; mulheres são 18% do total de vereadores nas capitais

Da Redação Gênero e Número

A vereança das capitais brasileiras será consideravelmente negra em 2021. Somando as cadeiras de todas as 25 capitais que elegeram suas câmaras neste domingo (15), 44% serão ocupadas por pessoas negras. Quando olhamos para gênero, mulheres serão 18% de todas as vereadoras de capital do Brasil. 

Palmas (TO) é a cidade com maior quantidade de pessoas negras eleitas: entre as 18 cadeiras, há somente uma pessoa branca. De acordo com o IBGE, a categoria de negros inclui pretos e pardos. Em Cuiabá (MT), negros eleitos para a câmara municipal são 76%. Mulheres, entretanto, são apenas duas entre todos os eleitos. Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral.

Meia década de jornalismo sobre gênero e raça
APOIE A GN PARA IRMOS MAIS LONGE
QUERO IR JUNTO!

Capitais do Sul são as que têm menor proporção de negros

nas câmaras municipais

norte

Assine a newsletter e receba nosso conteúdo gratuito!

Aguarde...

nordeste

centro-oeste

sudeste

sul

negro(a)s

0

50%

100%

Palmas TO

95%

Cuiabá MT

76%

são luís ma

74%

P. velho RO

70%

70%

Salvador BA

Manaus AM

59%

Fortaleza CE

58%

Boa Vista RR

57%

Belém pa

54%

Rio Branco AC

53%

Vitória ES

53%

Goiânia GO

51%

Aracaju SE

50%

João Pessoa PB

48%

teresina pi

45%

campo Grande MS

41%

Natal RN

41%

maceió al

40%

34%

Belo horizonte MG

rio de janeiro RJ

31%

Recife PE

28%

São Paulo SP

18%

Curitiba PR

11%

Porto Alegre RS

11%

Florianópolis SC

0

fonte tse

Capitais do Sul são as que têm menor proporção de negros

nas câmaras municipais

norte

nordeste

centro-oeste

sudeste

sul

negro(a)s

0

50%

100%

Palmas TO

95%

Cuiabá MT

76%

são luís ma

74%

P. velho RO

70%

Salvador BA

70%

Manaus AM

59%

Fortaleza CE

58%

Boa Vista RR

57%

Belém pa

54%

Rio Branco AC

53%

Vitória ES

53%

Goiânia GO

51%

Aracaju SE

50%

João Pessoa PB

48%

teresina pi

45%

campo Grande MS

41%

Natal RN

41%

maceió al

40%

Belo horizonte MG

34%

rio de janeiro RJ

31%

Recife PE

28%

São Paulo SP

18%

11%

Curitiba PR

Porto Alegre RS

11%

Florianópolis SC

0

fonte tse

Na outra ponta, a capital com a câmara municipal mais branca do Brasil será Florianópolis. Todas as 23 cadeiras foram ocupadas por pessoas brancas. Em Recife (PE), 28% dos vereadores eleitos são negros, e a vereadora mais votada foi Dani Portela (PSOL), com cerca de 14 mil votos. 

No Sul, em Curitiba (PR), apesar de ser uma das capitais com câmaras mais brancas, haverá a primeira vereadora negra, Carol Dartora (PSOL). Ela foi a terceira mais votada na cidade, com mais de 8.800 votos. 

A capital paulista teve também uma mulher negra com votação expressiva: Erika Hilton. (PSOL). Negra, trans e defensora dos direitos da população LGBT+, ela acumulou mais de 50.500 votos e foi a mais votada. Junto com Érica, haverá mais nove vereadores negros, que somam 18% do total dos parlamentares.

Ainda no Sudeste, o Rio de Janeiro também teve uma mulher negra entre os mais votados. Tainá de Paula (PT) recebeu 24.881 votos e foi a segunda mulher mais votada na capital fluminense. Junto com ela, haverá outras três mulheres negras. 

Mulheres não chegam a 50% de nenhuma câmara municipal de capital brasileira

norte

nordeste

centro-oeste

sudeste

sul

mulheres

0

50%

100%

Porto Alegre RS

31%

Belo horizonte MG

27%

Natal RN

24%

São Paulo SP

24%

Florianópolis SC

22%

Curitiba PR

21%

Fortaleza CE

21%

Palmas TO

21%

Salvador BA

21%

rio de janeiro RJ

20%

Recife PE

18%

Aracaju SE

17%

Boa Vista RR

17%

Belém pa

17%

teresina pi

17%

maceió al

16%

são luís ma

16%

Goiânia GO

14%

Vitória ES

13%

Rio Branco AC

12%

Porto velho RO

10%

Manaus AM

10%

Cuiabá MT

8%

campo grande Ms

7%

4%

João Pessoa PB

fonte tse

Mulheres não chegam a 50% de nenhuma câmara municipal de capital brasileira

norte

nordeste

centro-oeste

sudeste

sul

mulheres

0

50%

100%

Porto Alegre RS

31%

Belo horizonte MG

27%

24%

Natal RN

São Paulo SP

24%

Florianópolis SC

22%

Curitiba PR

21%

Fortaleza CE

21%

Palmas TO

21%

Salvador BA

21%

rio de janeiro RJ

20%

Recife PE

18%

Aracaju SE

17%

Boa Vista RR

17%

Belém pa

17%

teresina pi

17%

maceió al

16%

são luís ma

16%

Goiânia GO

14%

Vitória ES

13%

Rio Branco AC

12%

Porto velho RO

10%

Manaus AM

10%

Cuiabá MT

8%

campo Grande MS

7%

Campo grande Ms

João Pessoa PB

4%

fonte tse

Gênero nas capitais 

João Pessoa (PB) elegeu somente uma mulher como vereadora e tem a menor proporção entre as capitais (4%). Vitória (ES), Rio Branco (AC), Porto Velho (RO) e Manaus (AM) são outras capitais que não passam de 10% de mulheres nas câmaras municipais.

Rio Branco (AC) e Vitória (ES) também tiveram um número absoluto baixo, apenas duas eleitas, o que representa 12% e 13%, respectivamente. Ainda assim, Vitória teve como segunda parlamentar mais votada Camila Valadão (PSOL), com 5.625 votos.

Em Aracaju, capital sergipana, a mulher mais votada foi Linda Brasil (PSOL), com 5.773 votos. Junto com ela, outras três mulheres terão mandato a partir de 2021, o que representa 17% do total de parlamentares.

Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, seguiu os passos de Aracaju e também tem como mais votada uma mulher trans: a professora Duda Salabert (PDT) recebeu 37.613 votos. Outras dez mulheres também ocuparão uma cadeira na câmara municipal de BH, o que faz da cidade a segunda capital com maior proporção de mulheres do Brasil, 27%. 

O topo da proporção de mulheres eleitas é ocupado por Porto Alegre, com 31%. A mais votada entre todos os vereadores foi Karen Santos (PSOL), com 15.702 votos.

Acesse a base de dados desta análise.

Receba o conteúdo da GN por Whatsapp
Para se cadastrar, mande um oi para:
+55 21 98341 3556

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

EU QUERO APOIAR

  
close-image