close

Depoimento: O protagonismo de mulheres quilombolas no semiárido para garantir direitos e mitigar efeitos das mudanças climáticas5 min read

Arte de Victória Lobo (Instituto Modefica) sobre foto de arquivo pessoal

Professora, agricultora familiar e liderança quilombola, Maria José de Souza Silva, do quilombo Feijão e Posse, em Pernambuco, alerta que as variações do clima colocam em risco a sobrevivência de quem trabalha com conhecimentos milenares e ancestrais

Por Maria José de Souza Silva*

Nasci e me criei no quilombo. Toda a minha infância foi na comunidade, só fui para a cidade morar com minha avó para estudar quando estava no terceiro ano. Tenho 48 anos e três filhos, o Kleiton Felipe, de 26 anos, que mora em São Paulo e tenta a carreira de músico, o Cláudio, de 24 anos, e a Aman Raine, de 18. Eles só estudaram, enquanto eu cresci tendo que trabalhar e estudar ao mesmo tempo. 

Eu fiz magistério e licenciatura em pedagogia, e iniciei minha graduação em letras, mas não consegui terminar. A minha trajetória de ensino e estudo sempre foi muito difícil porque são 5 km de distância entre o quilombo e a cidade, e eu tinha que fazer esse percurso todo diariamente para estudar. A graduação em letras, eu fiz em Serra Talhada [município a 415 km de Recife, a capital pernambucana]. Tinha que andar 5 km até a cidade para pegar um ônibus. Eram 70 km de distância, e muitas vezes eu ia em pé. Isso foi me cansando, até que desisti do curso. Eu sou professora de ensino fundamental há 28 anos, e hoje dou aula na minha comunidade, sendo concursada pelo município.  

Meia década de jornalismo sobre gênero e raça
APOIE A GN PARA IRMOS MAIS LONGE
QUERO IR JUNTO!

Na comunidade, nós sempre trabalhamos com agricultura familiar, sempre nos preocupamos com o meio ambiente, e eu tinha que conciliar a horta, o trabalho como professora e a faculdade. Sem falar nos movimentos sociais, já que sempre estive ativa no movimento negro, quilombola e de mulheres. Sempre tive um pezinho na roça. Desde pequena trabalho com isso; minha mãe sempre levava a gente, e ficávamos brincando no meio da plantação enquanto ela ia trabalhar. Começamos ajudando a colher e trazer para casa. 

A mudança climática coloca em risco a sobrevivência da nossa comunidade, de quem trabalha com conhecimentos milenares e ancestrais, como a agricultura familiar. 

Íamos buscar água a 3 ou 4 km de distância para beber e cozinhar, carregando na cabeça, porque não tínhamos água na comunidade. Só muitos anos depois tivemos oportunidade de cavar pequenos açudes e ter cisternas. Até hoje, mesmo com a tecnologia, a comunidade ainda toma água principalmente das cisternas. Temos atualmente o projeto “água na torneira” para não dependermos mais das prefeituras, não precisarmos nos humilhar pedindo carro-pipa. Ainda é muito difícil ter acesso a coisas básicas. Hoje, temos água para cozinhar e lavar, mas não temos água potável para beber.

LEIA TAMBÉM
Processo de desertificação do semiárido brasileiro aumenta o desafio das mulheres da região

Assine a newsletter e receba nosso conteúdo gratuito!

Aguarde...

Se dependêssemos do governo, não teríamos nada. Temos que fazer todas as incidências porque se não conhecemos os nossos direitos, a gente não consegue, já que não é do interesse daqueles que têm o poder. Muitas vezes precisamos brigar por coisas essenciais.  Graças a nossa incidência temos casa de alvenaria pela Caixa Econômica e pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário, vários poços e cisternas. Os projetos que existem são mais voltados para as mulheres; posso falar que aqui no quilombo são guerreiras, estão à frente das associações e das incidências políticas. Nós nos colocamos no espaço público e nos candidatamos na perspectiva de ter melhoria no acesso às políticas públicas.

As mudanças climáticas impactam muito nossa produção. Primeiro porque o acesso à água vem das bombas elétricas dentro dos poços, e como as chuvas ficaram escassas e a estiagem prolongada, não pudemos continuar fazendo a irrigação, já que a água evapora muito rápido do subsolo. Tivemos que diminuir muito nossa plantação, que era para subsistência e venda, o que impacta na nossa renda. Como a água é salobra, tínhamos que dar um descanso para ela.

Se dependêssemos do governo, não teríamos nada. Temos que fazer todas as incidências porque se não conhecemos os nossos direitos, a gente não consegue, já que não é do interesse daqueles que têm o poder. Muitas vezes precisamos brigar por coisas essenciais.

Como o sertão é muito quente, não adianta regar de manhã porque a quentura pode queimar a raiz. Tem uma grande relação entre essas coisas. Tínhamos um clima mais ameno, não era tanto calor aqui, mas esse impacto [das mudanças climáticas] é bem visível. Já não temos o mesmo número de plantas, algumas espécies não aguentam. Trabalhamos atualmente com salsa, coentro, abóbora, milho, feijão, acerola, goiaba, manga. Sem contar as plantas ornamentais. Ficou mais difícil plantar feijão, e diminuímos a quantidade de outras, como a macaxeira.  A mudança climática coloca em risco a sobrevivência da nossa comunidade, de quem trabalha com conhecimentos milenares e ancestrais, como a agricultura familiar.

*em depoimento a Vitória Régia da Silva

Receba o conteúdo da GN por Whatsapp
Para se cadastrar, mande um oi para:
+55 21 98341 3556

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

EU QUERO APOIAR

  
close-image