close

Após 1º turno, mulheres ainda não ocupam nenhum governo; compare 2014 e 20183 min read

Fátima Bezerra (à esq.) em campanha no Rio Grande do Norte | Foto: Divulgação

Resultados mostram que não houve avanço na representatividade feminina na eleição para governos dos Estados dos Estados

Por José Lery*

Se nas eleições de 2014 apenas uma mulher foi eleita governadora (Suely Campos, em Roraima), em 2018 o cenário pode ser pior, sem nenhuma representatividade feminina. Ao fim do 1º turno, neste domingo, não havia mulher eleita para o cargo, e o único nome feminino no 2º turno é a petista Fátima Bezerra, que liderou a votação no Rio Grande do Norte, terminando a apuração dos votos válidos com 46,17%. Bezerra, senadora eleita em 2014, vai disputar com o pedetista Carlos Eduardo.


*José Lery é engenheiro e analista de dados da Gênero e Número

Meia década de jornalismo sobre gênero e raça
APOIE A GN PARA IRMOS MAIS LONGE
QUERO IR JUNTO!

Receba o conteúdo da GN por Whatsapp
Para se cadastrar, mande um oi para:
+55 21 98341 3556

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

EU QUERO APOIAR

  
close-image