close

América Latina avança em legislação para mulher, mas ainda não contém violência4 min read

Meia década de jornalismo sobre gênero e raça
APOIE A GN PARA IRMOS MAIS LONGE
QUERO IR JUNTO!

Por Gia Castello*

Os governos da América Latina vêm implementando medidas para responder à violência contra as mulheres de diferentes formas. Embora nem sempre eficientes, essas medidas representam um esforço comum para combater as violações. Reunimos alguns parâmetros que podem indicar como o tema é tratado na região.

Dos 21 países, seis não contam com um organismo com foco em políticas para as mulheres, seja este um ministério, um departamento ou uma secretaria com status ministerial. São os países do Caribe, além do Panamá, que deixam a desejar nesse quesito. Na região, 63% contam com uma lei específica com foco em violência doméstica ou familiar, e 66% contam, nos seus respectivos códigos penais, com o delito de feminicídio, o que é um ponto importantíssimo para a discussão, na esfera política, sobre a morte de mulheres por questões de gênero.

Para se pensar em políticas que façam o número de mortes e agressões retrocederam, conhecer as estatísticas também é fundamental. Um terço dos países latinoamericanos não conta com estatísticas, e apenas Argentina, República Dominicana e Panamá têm atualizados seus dados até 2016.

Gia Castello é jornalista equatoriana, vive em trabalha em Buenos Aires e colaborou com esta edição dentro do programa de fellowship da Gênero e Número em parceria com Chicas Poderosas e Agência Pública

Colaborou: Kennia Velazquez

Assine a newsletter e receba nosso conteúdo gratuito!

Aguarde...

Receba o conteúdo da GN por Whatsapp
Para se cadastrar, mande um oi para:
+55 21 98341 3556

Você é fundamental para seguirmos com o nosso trabalho, produzindo o jornalismo urgente que fazemos, que revela, com análises, dados e contexto, as questões críticas das desigualdades de raça e de gênero no país.

Somos jornalistas, designers, cientistas de dados e pesquisadoras que produzem informação de qualidade para embasar discursos de mudança. São muitos padrões e estereótipos que precisam ser desnaturalizados.

A Gênero e Número é uma empresa social sem fins lucrativos que não coleta dados, não vende anúncio para garantir independência editorial e não atende a interesses de grandes empresas de mídia.

EU QUERO APOIAR

  
close-image