close

Quantidade de pessoas trans eleitas em 2020 é quatro vezes maior que em 2016

Linda Brasil (PSOL-SE) foi a mulher mais votada para a Câmara Municipal de Aracaju | Foto: Arquivo pessoal

 Segundo mapeamento da Associação Nacional de Transexuais e Travestis, são 30 as candidaturas trans eleitas em 2020, sendo que sete foram as mais votadas em suas cidades; há quatro anos, apenas oito chegaram às câmaras municipais

Por Vitória Régia da Silva*

Mestra em educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e ativista dos direitos humanos, Linda Brasil (PSOL/SE) foi eleita a primeira mulher trans à vereança de Aracaju e a mais votada entre todos os candidatos à Câmara Municipal da cidade, com 5.773 votos. Ela está entre as 30 pessoas trans eleitas nesse pleito, segundo mapeamento da Associação Nacional de Transexuais e Travestis (Antra) e entre as sete mulheres mais votadas nas capitais brasileiras. Sua vitória nas urnas era bastante esperada, já que havia sido candidata a vereadora em 2016 e a deputada estadual em 2018 pelo PSOL, mas apesar de ter recebido uma votação expressiva, não foi eleita. 

“Somos a primeira, mas não seremos as únicas e últimas. Espero que esse resultado estimule que muitas outras pessoas trans possam construir e ocupar esse espaço e provoque transformações reais na sociedade”, disse Brasil, parafraseando a frase dita pela vice-presidente eleita nos Estados Unidos, Kamala Harris.

 [+] Leia também: Negros serão 44% dos vereadores nas capitais brasileiras em 2021

As eleições municipais de 2020 tiveram um recorde de candidaturas trans e de pessoas trans eleitas. Foram 294 candidaturas pelo Brasil, sendo 30 candidaturas coletivas e apenas 2 para prefeitura e 1 para vice-prefeitura. Isso representa um aumento de 226% em relação a 2016, quando foram  89 candidaturas. Em 2020, o número de pessoas trans eleitas quase quadruplicou, são pelo menos 30, contra as 8 eleitas em 2016. Esse número pode aumentar, já que a Antra continua fazendo o mapeamento das eleitas. 

 “Esse resultado veio dizer que é possível essa construção. Chegou no momento certo, estou me sentindo mais preparada e mais consciente do meu lugar nesse espaço para trazer mais transformações. Até hoje a ficha não caiu de que fui a mais votada, mas estou aproveitando essa visibilidade e os espaços que estou tendo na mídia para levar informação e conhecimento às pessoas sobre a importância do empoderamento e da gente ocupar esses espaços da sociedade. E não ocupar simplesmente por ocupar, mas para pautar transformações, porque esses espaços sempre foram construídos em uma lógica patriarcal, misógina e LGBTfóbica”, afirma Brasil. 

assine gif

Para Bruna Benevides, secretária de articulação política da Antra, o resultado desta eleição e o crescimento de pessoas trans eleitas são duas das principais respostas que a população trans tem dado frente ao avanço do conservadorismo e das agendas anti-trans. “É muito importante essa forma como as pessoas trans estão se organizando, fruto de uma luta coletiva no Brasil há quase 30 anos, e nada mais justo vermos o aumento na quantidade de pessoas trans que se elegeram para reescrever a história das pessoas trans no Brasil. Uma história manchada por sangue, violência e violações, mas que agora reacende o desejo e a intenção de nos vermos enquanto pessoas políticas, resgatando a  participação de pessoas trans no jogo político.”

Número de pessoas trans eleitas para as Câmaras Municipais quase quadruplicou este ano

Pelo menos 7 mulheres trans e travestis foram as mais votadas em suas cidades

30 trans eleitas

7 mais votadas

nas suas cidades, sendo 2 em capitais

17

brancas

13

negras

Por estado

SP 16

MG 4

RS 3

RJ 2

ES 1

PA 1

PR 1

RN 1

SE 1

As mais votadas

Linda

Brasil

branca

Tieta

Melo

branca

PSOL

São Joaquim da Barra SP

PSOL

Aracaju SE

Lorim

da Valéria

branca

Titia

Chiba

negra

PDT

Pontal SP

PSB

Pompeu MG

Duda

Salabert

branca

PDT

Belo

Horizonte MG

MDB

Patrocínio Paulista SP

Dandara

negra

Paulette

Blue

branca

PSDB

Bom

Repouso MG

Partidos com candidatas eleitas

1

PT 4

MDB 4

PL

DEM

PTB

PSB

AVANTE

PSOL 6

PDT 4

REP

PV

PSDB

PROS

DC

PODE 2

fonte antra

Número de pessoas trans eleitas para as Câmaras Municipais quase quadruplicou este ano

Pelo menos 7 mulheres trans e travestis foram as mais votadas em suas cidades

30 trans eleitas

13

negras

17

brancas

7 mais votadas

nas suas cidades, sendo

2 em capitais

As mais votadas

Linda

Brasil

branca

Duda

Salabert

branca

PDT

Belo

Horizonte MG

PSOL

Aracaju SE

Paulette

Blue

branca

PSDB

Bom

Repouso MG

Titia

Chiba

negra

PSB

Pompeu

MG

Lorim

da Valéria

branca

MDB

Patrocínio

Paulista SP

PDT

Pontal

SP

Dandara

negra

Tieta

Melo

branca

PSOL

São Joaquim

da Barra SP

fonte antra

Quem são as pessoas trans eleitas?  

A identidade de gênero dos eleitos, assim como das candidaturas, foram em sua maioria femininas. Foram eleitos, pelo menos, 28 travestis e mulheres trans e 2 homens trans. O único homem trans eleito em uma capital brasileira foi Thammy Miranda (PL/SP), ator e filho da cantora Gretchen, que recebeu mais de 43.321 votos e ficou conhecido nacionalmente após estrelar uma campanha do Dia dos Pais da marca Natura. A capital paulistana foi a única que elegeu duas pessoas trans: além de Thammy, Erika Hilton (PSOL/SP) foi a mulher mais votada na cidade. 

Das 30 pessoas trans eleitas para a vereança, 57% são pessoas brancas e 43% pessoas negras. Para obter os dados referentes a cor/raça, foram analisado os dados disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No caso da vereadora eleita Linda Brasil (PSOL/SP), que é identificada como amarela nos registros do TSE, a vereadora informou que não tem descendência asiática e que não informou corretamente sua raça, branca, na ocasião da inscrição da candidatura.

 [+] Leia também: Primeiros oito meses de 2020 têm mais assassinato de mulheres trans do que todo o ano de 2019

Das 294 candidaturas trans nas eleições municipais de 2020, quase 40% concorreram por  partidos de direita, como já mostramos em reportagem da Gênero e Número. No entanto, 53% das eleitas são de esquerda. O PSOL foi o partido com mais candidaturas trans eleitas (6), e São Paulo, o estado  que mais as elegeu (16), seguido de Minas Gerais (4) e Rio Grande do Sul (3). Os eleitos se concentram em nove estados. Além disso, quatro pessoas trans eleitas fazem parte de mandatos coletivos. 

“Nós estamos muito felizes e extremamente satisfeitas em saber que a luta que começamos lá atrás, em 1992, quando se funda a primeira instituição trans do Brasil que luta por direitos políticos,  está dando esses frutos maravilhosos de uma coletividade potente, articulada e organizada para fazer uma outra história. Para fazer uma história de vida e não mais uma história de morte”, comemora Benevides.

Ineditismo e desafios

A ativista Lins Roballo (PT/RS) coleciona ineditismo nestas eleições. Foi eleita a primeira trans/travesti, a primeira vereadora negra e a única mulher em São Borja, no Rio Grande do Sul. Das 15 cadeiras da Câmara Municipal da cidade, somente uma será ocupada por uma mulher, que é trans e negra.  “Fiquei muito feliz, grata e emocionado pelo eleitorado ter compreendido nossas preposições e ter escolhido nosso projeto para o próximo mandato”, diz Roballo. 

Apesar de toda repercussão e visibilidade positiva de sua eleição, Roballo também tem que lidar com ataques. “Algumas pessoas conservadoras do município têm dito e publicado que não foi eleita nenhuma mulher, mas a cadeira vai ser ocupada por uma mulher trans. Uma cadeira e mandato que vão trazer as pautas das mulheres, da diversidade de gênero e sexual. Eu sei que tem acontecido alguns ataques devido à militância forte do município. Temos feito mapeamento desses ataques para compor um processo por LGBTfobia contra a candidatura”.

 [+] Leia também: “Se continuarmos nesse ritmo, só em 56 anos teremos paridade entre homens e mulheres nas câmaras municipais”

Ser a primeira e única nesse espaço institucional pode trazer desafios, e Roballo garante estar preparada para lidar com eles. Segundo a vereadora eleita, vai ser um desafio, mas não vai ser nada que não teremos vivenciado em outros momentos. “O movimento Girassol, que faço parte, existe há 13 anos, e fazemos articulações políticas de tomadas de decisão em conjunto com a gestão pública. Nesse momento, vamos ocupar um lugar na política que nos dá mais potência e relevância. E entramos porque sabíamos que seria uma batalha necessária para ter mais espaço e voz nas tomadas de decisão”, destaca. 

A mestra em educação Linda Brasil não será a única mulher na Câmara Municipal de Aracaju, que conta com mais três vereadoras. Um avanço ainda tímido, já que os homens ocupam as outras 17 cadeiras, mas importante, visto que em 2016 só foi eleita uma mulher. “É um desafio muito grande, mas vamos com a perspectiva de dialogar e levar as nossas  pautas. Pelo lado positivo, somente o fato de ter quatro mulheres, e mulheres como eu, já ajuda a levar a desconstrução dessa visão estereotipada sobre política, forjada em uma visão patriarcal O resultado desta eleição já foi um avanço”, finaliza.

*Vitória Régia da Silva é repórter da Gênero e Número