close

Prefeitas do Brasil têm mais anos de estudo e experiência do que prefeitos, mas governam municípios menores e mais pobres

Pesquisa realizada pelo Instituto Alziras mostra que 70% das chefes do executivo municipal já ocuparam cargo público e 71% têm ensino superior, mas 91% governam municípios de até 50 mil habitantes

Por Lola Ferreira*

Mais anos de estudo, um bom tempo de experiência em gestões governamentais e muito menos numerosas na liderança das prefeituras em comparação aos homens: esse é o perfil das mulheres que chefiam o Executivo municipal no Brasil. A pesquisa Perfil das Prefeitas do Brasil, realizada pelo Instituto Alziras, traz o retrato das mulheres que conseguem se eleger no país que tem 5.570 municípios, mas somente 649 prefeitas. Os dados mostram que 70% das mulheres que exercem o cargo hoje já acumulavam experiência em cargos públicos não-eletivos, e 71% delas têm ensino superior, contra 50% dos prefeitos.

Em todas as regiões, prefeitas com no mínimo ensino superior completo são maioria. No Norte, Sudeste e Sul, a maioria foi além e tem pós-graduação. Somente 4% de todas as prefeitas do Brasil não têm ensino médio completo, enquanto entre os homens essa taxa é de 18%. A pesquisa aponta que a escolaridade parece influenciar a ocupação de cargos não eletivos ou de confiança antes delas concorreram a um cargo eletivo.

As prefeitas com pós-graduação que antes ocuparam cargos não eletivos na gestão governamental são 80%, e o índice caindo de acordo com a formação delas. Essa taxa é de 65% entre as com ensino superior, 63% entre as com ensino médio e 47% das prefeitas com ensino fundamental completo já ocuparam cargos de confiança.

visu_home

A codiretora do Instituto Alziras, Michelle Ferreti, destaca a importância de a pesquisa mostrar que as mulheres conseguem reunir dois pontos importantes para a qualificação de um cargo eletivo: experiência e anos de estudo.

“Não acho que o preparo vem só dos anos de estudo; tem gente que não tem ensino superior mas tem muita experiência. Só que as prefeitas somam as duas coisas: desde a experiência prática, dentro do governo, em cargos públicos, quanto mais anos de estudo, apesar delas serem minoria”, avalia.

Das 649 prefeitas do Brasil, 91% chefiam municípios com até 50 mil habitantes e 71% estão concentradas em municípios de até 20 mil habitantes. A média de PIB per capita dos municípios governados por prefeitas é de R$ 17,8 mil, enquanto os governados por prefeitos é de R$ 19,7 mil.

Daniela de Cássia (PSB/SP) foi eleita duas vezes como prefeita da cidade de Monteiro Lobato, no interior paulista. A partir de sua experiência, De Cássia contou à Gênero e Número que a maior dificuldade para as mulheres que tentam se eleger como prefeitas é o machismo, que opera de diferentes formas.

“Eu tive dificuldade, inclusive, de me filiar aos partidos já existentes na cidade, porque os presidentes eram homens e eu não fui aceita em vários partidos, então eu tive dificuldades desde o primeiro instante. Não temos essa ruptura do machismo, porque ainda está difícil para a mulher”, opina De Cássia.

infografico

Assédio e violência política

Como a prefeita de Monteiro Lobato, 53% das 298 prefeitas ouvidas pela pesquisa do Instituto Alziras disseram já ter sofrido violência ou assédio em sua carreira política pelo simples fato de ser mulher, e 30% delas apontam que esta é a maior dificuldade na carreira. De Cássia relata que durante a sua campanha eleitoral sentiu-se diminuída por ser mulher.

“Sofri boicotes durante a campanha e acho, sim, que foi por ser mulher. A oposição não citava nem meu nome, só chamava de ‘menininha’. Na área rural, os eleitores diziam que eu tinha cara de ‘shopping’, e duvidavam que eu fosse fazer algo por eles, e eu acredito que tudo isso seja ainda por causa da cultura machista em que vivemos”, afirma.

Com recorte de faixa etária, as prefeitas jovens, com menos de 30 anos, têm maior percepção do assédio sofrido enquanto políticas: 91% responderam “sim” à questão. Entre as mulheres de 30 a 40 anos, essa proporção é de 70%. Entre as solteiras, 69% disseram ter sofrido assédio, e entre as casadas 49% declararam à pesquisa ter sofrido assédio.

Chamada de "menininha" pela oposição, prefeita de Monteiro Lobato aponta machismo como dificuldade na eleição de outras mulheres. | Foto: Arquivo pessoal
Chamada de “menininha” pela oposição, prefeita de Monteiro Lobato aponta machismo como dificuldade na eleição de outras mulheres. | Foto: Arquivo pessoal

De Cássia acredita que uma pesquisa feita para preencher a lacuna dos dados referentes às prefeitas irá auxiliar na compreensão por parte do eleitorado de que as mulheres são, sim, capacitadas para ocupar o cargo.

“A gente ter dados, conhecer a história das prefeitas, faz com que a gente tenha uma tomografia do cenário. Porque se a gente não souber onde está o problema, a gente não sabe como resolver”, opina ela, que venceu a última eleição, em 2016, com diferença de 22 votos para o segundo colocado — um homem.

Ferreti corrobora e destaca que este é o principal objetivo da pesquisa. “A nossa intenção é justamente essa: se a gente quer construir estratégias para mudar o país, a gente tem que entender com detalhes o que está acontecendo. A ideia da pesquisa é construir um bom diagnóstico, pensar caminhos com outras redes, organizações e mulheres que já estão nessa luta, e poder fomentar o debate público.”

*Lola Ferreira é repórter da Gênero e Número.