O que fazemos


A Gênero e Número existe para dar para visibilidade a dados e a evidências relevantes para o debate sobre equidade de gênero por meio de diferentes produtos que têm em comum o conteúdo de qualidade.

A produção jornalística que preza pelos fatos e dados abertos é nosso carro-chefe. Mas como startup e organização de mídia independente que valoriza a inovação nas práticas e na forma de se relacionar com as audiências, abraçamos com entusiasmo plataformas online e presenciais e formatos diversos para expandir debates e narrativas.

A Gênero e Número é apartidária, propõe-se a aprofundar temas principalmente relacionados a uma agenda de direitos a partir de dados e de vozes legítimas e comprometidas com o diálogo amplo que a democracia pressupõe. Acreditamos que nosso trabalho é extremamente relevante num país onde a qualidade do debate sobre gênero precisa melhorar, onde diversos dados importantes ainda não têm a visibilidade e discursos radicalizados têm se sobreposto à informação verificada e de qualidade. É comum que se confunda esse jornalismo de nicho com ativismo, mas a nossa missão é produzir jornalismo plural e preciso.

Diversidade e transparência são valores que regem o nosso trabalho. E nossa independência editorial é inegociável.


img1
GN EDITORIAL

A área editorial da Gênero e Número concentra a produção de conteúdos jornalísticos independentes e de publicações impressas e online desenvolvidas a partir de parcerias.
A Gênero e Número não desenvolve conteúdo editorial sob demanda, mas está aberta a parcerias com organizações de pesquisa, institutos e think and do tanks que produzam ou que compilem dados e tenham interesse em compartilhá-los com a sociedade de forma ampla.

GN DADOS

A área aprofunda o trabalho com bases de dados construídas ou abertas pela equipe para que se possa extrair o máximo de análise e de informação relevante sobre temas diversos. Essa análise é orientada para a nossa produção de conteúdo editorial de acesso gratuito, mas também para a produção de conteúdos restritos a assinantes, e segmentados para tratar periodicamente de temas pertinentes à agenda de desenvolvimento e de direitos. A produção de pesquisas e de publicações com rigor acadêmico também ocupa lugar de destaque na área de Dados da GN.

GN CURSOS E EVENTOS

Nessa área, a Gênero e Número concentra os eventos e cursos presenciais, feitos com parceiros editoriais e/ou com apoiadores que valorizam as temáticas que destacamos na nossa produção editorial. A Gênero e Número acredita na convergência de diferentes atores, e até setores, e busca debates e diálogos que extrapolem as bolhas sociais.

Maria Lutterbach

Diretora

Maria Lutterbach é codiretora da Gênero e Número, primeira iniciativa de jornalismo de dados com foco em gênero da América Latina. Graduada em Jornalismo pela PUC-Minas e pós-graduada em Edição pela Universidad Autónoma de Barcelona, nos últimos 14 anos colaborou para jornais, revistas e sites na reportagem, edição e coordenação. Liderou projetos de comunicação estratégica para empresas e organizações no Brasil e no Chile. Desde 2012, atua também como realizadora independente em estúdio audiovisual próprio, onde experimenta diferentes linguagens.

Giulliana Bianconi

Diretora

Em 2016, fundou a Gênero e Número, a primeira organização de mídia orientada por dados com foco em gênero da América Latina. Antes disso, acumulou experiência como repórter em jornais diários no Sudeste e Nordeste do Brasil (Folha de S. Paulo e Diario de Pernambuco) e como colaboradora de revistas diversas de circulação nacional. Foi também editora de conteúdos de tecnologia e educação na agência multinacional Edelman Significa e, após se especializar na comunicação estratégica e de causa com foco em plataformas digitais, trabalhou para fundações e institutos no Terceiro Setor, como Instituto EducaDigital, Fundação Ford, Fundo Brasil de Direitos Humanos, entre outros. É jornalista formada pela UFPE, pós-graduada em Política e Relações Internacionais e acumula cursos de aperfeiçoamento nas áreas Digital e de Planejamento.

Carolina de Assis

Editora

Feminista desde antes de saber que existia um nome pra isso. É graduada em Comunicação Social – Rádio e TV / Jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e mestra em Estudos das Mulheres e de Gênero pelo programa GEMMA – Università di Bologna (Itália) / Universiteit Utrecht (Holanda). Nascida e criada no interior de Minas Gerais e formada por livros de todos os cantos do mundo, vive o dilema posto por Drummond no poema que explica sua vida (a dele e a dela): "no elevador penso na roça, na roça penso no elevador". Acredita nas palavras, nas trocas, nos abraços e, acima de tudo, nas mulheres.

José Lery

Analista de dados

Engenheiro eletrônico e de computação, formado pela UFRJ. Atualmente, tem se jogado no universo dos dados, especialmente business intelligence.Nos últimos 10 anos, passou pelos setores de finanças, telecom e consultoria, onde teve oportunidade de trabalhar com desenvolvimento de software , gestão de projetos, inteligência tecnológica, modelagem financeira, eficiência energética e gestão de pessoas. Também adora cinema, corrida e cultivar plantas.

Vitória Régia da Silva

Estagiária

Estudante de Jornalismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, seus interesses em comunicação sempre envolveram recortes de gênero, raça, classe e sexualidade. Tem como principal paixão o jornalismo e as narrativas independentes. Atualmente é uma das editoras da Capitolina, uma revista online e independente feminista voltada a adolescentes.
larissa

Larissa Rios

Estagiária

Nascida e criada na periferia, seus interesses sempre envolveram a narrativa daqueles cuja voz é abafada pela sociedade. Graduanda em Comunicação Social na UFRJ, participou da oficina Escambo de Ideias, ensinando sobre comunicação e ativismo em escolas públicas. Atualmente também integra o Favelab, uma produtora audiovisual da favela para o mundo.
lola

Lola Ferreira

Repórter

Nascida na Baixada Fluminense, é formada em Jornalismo pela PUC-Rio. Já foi produtora de programa diário para a TV, comentarista de rádio e repórter de portais de notícias. Discute racismo e direitos humanos. Atualmente, é editora do site "Cenas Lamentáveis", de jornalismo esportivo, e colabora com a "Capitolina", revista adolescente online.
natalia

Natália Leão

Pesquisadora

Socióloga, formada pela UFJF. Atualmente é doutoranda em sociologia pelo IESP/UERJ e editora do "Cadernos de Estudos Sociais e Políticos". Dedica-se a pesquisas sobre desigualdade social, abordando questões relacionadas à gênero, raça e classe social, com um enfoque em metodologias quantitativas de análise. Mineira, sempre em busca de sua liberdade e crescimento, se deixou levar para outros territórios. Este seu espírito livre lhe faz praticar como esporte acrobacias aéreas de circo.
marilia

Marilia Ferrari

Designer

Taurina formada em arquitetura e urbanismo pela FAUUSP, trabalha desde sempre com design gráfico. Atualmente seu interesse se volta a desenvolver projetos de comunicação visual para organizações do terceiro setor e movimentos sociais, além de se dedicar a pensar intervenções audiovisuais no espaço urbano. Nascida no interior de São Paulo, mas com coração carioca, também pode ser encontrada pelas ruas da cidade tocando em blocos de carnaval.

Álvaro Justen

Colaborador

Conhecido como Turicas, é usuário, ativista e colaborador de projetos de software livre há mais de 9 anos, pythonista e disseminador do Arduino e de diversas iniciativas colaborativas. Atualmente ministra cursos sobre Arduino e Python por todo o Brasil, palestra em eventos de tecnologia, desenvolve software em Python e projetos usando Arduino.
Onde estamos

A sede da Gênero e Número está no Rio de Janeiro, mas nossa equipe é conectada e atenta ao contexto do Brasil e de toda América Latina. Conta, inclusive, com colaborações constantes de jornalistas, programadores/as e designers vivendo em outras regiões.

A Gênero e Número é uma organização comprometida com o fortalecimento da democracia por meio da produção jornalística de qualidade e independente. Nossa operação é custeada por um mix de receitas que inclui doações filantrópicas e a monetização de produtos – lembrando que constantemente produzimos conteúdo aberto e acessível a qualquer pessoa com acesso à internet.

Para saber mais sobre como as doações serão utilizadas e nossa política de transparência, clique aqui. E para doar, clique no botão abaixo:

contato@generonumero.media