close
Ciência e EducaçãoEdição N.10Editorial

Editorial: O labirinto de cristal das mulheres na ciência

Foto: George Pimentel / CFC

*Por Carolina de Assis

Na primeira década do século 21, as mulheres pela primeira vez ultrapassaram os homens na formação em mestrado e doutorado no Brasil. Elas hoje são maioria em todos os níveis de ensino e também nas bolsas de iniciação científica, mestrado e pós-doutorado do CNPq, a principal agência estatal de fomento à pesquisa do país, e empatam com eles nas bolsas de doutorado. No entanto, eles continuam à frente na docência universitária, tanto na graduação quanto na pós-graduação, e chegam antes e muito mais numerosos nas bolsas de Produtividade em Pesquisa do CNPq, destinadas a cientistas que se destacam em suas áreas.

Mas aqui não se trata de um mero teto de vidro, aquele que impede a ascensão das mulheres aos postos mais altos em tantas (todas?) profissões. Na ciência e na Academia, pode-se falar em um labirinto de cristal – uma série de obstáculos presentes ao longo de toda a trajetória das mulheres e que dificulta e atrasa o percurso delas nesse campo, quando não determina a desistência da carreira.O conceito é da pesquisadora Betina Stefanello Lima, uma das cientistas e mães entrevistadas no especial Sem considerar maternidade, ciência brasileira ainda penaliza mulheres, que compõe a edição n.10 da Gênero e Número, com o tema Mulheres na Ciência.

O escasso apoio e as penalidades que se impõem às profissionais que se tornam mães não são exclusivos ao meio científico e têm sido debatidos há décadas por teóricas do trabalho. As particularidades do campo científico, com suas exigências de alta produtividade e alta competitividade, trazem, entretanto, desafios específicos às mulheres que são mães. Na reportagem, investigamos por que isso acontece, o que isso diz sobre os espaços de produção científica no Brasil e como as instituições e agências de fomento podem apoiar as cientistas que têm filhos.

Para as mulheres negras, o labirinto de cristal é ainda mais estreito e tortuoso. Segundo dados do último Censo da Educação Superior, realizado em 2016, há pouco mais de 200 mulheres pretas com doutorado dando aula na pós-graduação. As mulheres pardas são pouco mais de 1 mil. As brancas, 10 mil. A reportagem Menos de 3% entre docentes da pós-graduação do país, doutoras negras desafiam racismo na academia aborda a parca representação das mulheres negras na docência de mestrados e doutorados no Brasil, um dos locus de produção de conhecimento científico e onde se formam as novas levas de cientistas do país, tratando também de como o racismo se manifesta e impacta as trajetórias de docentes e cientistas negras.

Outro atestado da exclusão das pessoas negras da ciência e da pesquisa brasileiras é o fato de que, nos últimos cinco anos, a proporção de bolsistas do CNPq que se identificam como pretos e pardos não chega a 30% – isso em um país com 54% da população negra. A Gênero e Número conseguiu dados inéditos junto ao órgão federal sobre cor/raça de bolsistas de 2013, quando esta informação começou a ser coletada nos currículos de pesquisadores na plataforma Lattes, a 2017. Eles são apresentados em um gráfico interativo que permite explorar cor/raça, gênero, faixa etária, modalidade de bolsa e área de conhecimento dos pesquisadores bolsistas da instituição.

Se 2018 promete sacudir o país com Copa do Mundo e Eleições, no mundo da Matemática o megaevento é o Congresso Internacional de Matemáticos, que acontece a cada quatro anos. O congresso, cuja primeira edição aconteceu em 1897, é o mais importante do mundo nesse campo científico e esse ano acontece no Rio de Janeiro. As matemáticas brasileiras até então nunca constaram na programação principal. Mas neste ano será diferente. A reportagemCom comitês de gênero, matemáticas brasileiras ganham força e estreiam em congresso centenário aborda o protagonismo das mulheres brasileiras nessa área da ciência.

É possível uma ciência feminista? Essa foi uma das perguntas que fizemos à pesquisadora Marina Fisher Nucci, pós-doutoranda na Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) e entrevistada desta edição. Ao longo da história da ciência, foram inúmeras as tentativas de atribuir origens biológicas às diferenças entre mulheres e homens e, por meio delas, justificar a exclusão delas de determinadas áreas – como o próprio campo científico – e fundamentar uma suposta inferioridade das mulheres em relação aos homens. Nucci se dedicou em seu doutorado a analisar essas tentativas e a crítica feminista promovida por cientistas, em sua maior parte mulheres, a essa tendência. Em conversa com a Gênero e Número, Nucci falou sobre como a produção científica pode e deve levar em conta os contextos social, cultural e político em que está inserida.

Trazemos também nessa edição um infográfico para ilustrar os caminhos de mulheres e homens na ciência no Brasil e os dados que apontam as assimetrias de gênero nesses percursos. As etapas da carreira formal na ciência no país são percorridas por todos, mas um grupo chega mais rápido e em maior número ao topo. Adivinha qual?

DOC.GN
A edição n.10 também marca a chegada de um novo projeto da Gênero e Número: o DOC.GN. A narrativa audiovisual é intrínseca à nossa produção desde o primeiro número da revista, em 2016, e de lá até aqui experimentamos formatos diversos em videorreportagens, teasers e entrevistas que integraram as edições temáticas. Agora, a produção em vídeo da GN ganha mais fôlego com o lançamento deste núcleo audiovisual que será laboratório para séries e documentários realizados a partir de parcerias e coproduções, sempre guiados por dados e personagens imprescindíveis ao debate sobre equidade de gênero, e com total independência editorial. O primeiro conteúdo desta nova fase, que vai ao ar na próxima semana, é o minidoc “Fator F”, que busca responder por que pode ser tão árduo conciliar filhos e carreira científica no Brasil. O vídeo é a primeira de duas produções sobre gênero e ciência realizadas com apoio do Instituto Serrapilheira. Acompanhe nossas redes para não perder a estreia!

Leia a edição n. 10 da Gênero e Número e siga nossos perfis no Twitter, Facebook e Instagram.

Expediente

Edição:

Carolina de Assis

Reportagem:

Aline Gatto Boueri

Carolina de Assis

Lola Ferreira

Vitória Régia da Silva

Supervisão editorial:

Giulliana Bianconi

Coordenação de dados e visualizações:

José Lery

Direção de arte:

Maria Lutterbach

Infográficos:

Marília Ferrari

Datadot

Gráfico interativo:

Volt Data Lab

Minidoc “Fator F”

Direção e montagem:

Maria Lutterbach

Pesquisa e reportagem:

Carolina de Assis

Giulliana Bianconi

Maria Lutterbach

Análise de dados:

José Lery

Lola Ferreira

Gráficos e identidade visual:

Marilia Ferrari

Fotografia:

Eduardo Rosa

Áudio:

Marcelo Ostrovski

Marcos Valério

Motion:

Jupy Reynaldo

Luciano Gomes

Mixagem:

Helena Duarte

Cor:

Carolina Garritano

Tradução:

Cristal R. Mcconkey